Desenvolvimento web

Desenvolvimento de site por R$150,00/Mês

Desenvolvimento Web responsivo com Melhor Custo-beneficio

Planos de desenvolvimento web com hospedagem Gratís
Arquivo de SEO | LCF HOST

Tag: SEO


Erros comuns em desenvolvimento web para campanhas de SEO

Conheça erros comuns em desenvolvimento web para campanhas de SEO e saiba como evitá-los

Uma boa campanha de SEO acontece quando várias ações de otimização são realizadas, conjunta e simultaneamente. E, certamente, uma dos aspectos da estratégia de uma ação de SEO são as ações técnicas tomadas no desenvolvimento web.

Este é um artigo traduzido do original “Why my SEO campaign failed? Part 2: Common Web Development mistakes“, do blog Web SEO Analytics, e sofreu pequenas modificações.

Passar muitos argumentos no URL

Quando o site é dinâmico, os desenvolvedores web precisam ter uma referência sobre o qual a página, o produto ou categoria o visitante quer ver. Normalmente um ID é necessário para recuperar os dados do banco de dados. Em outros casos, devido à complexidade do projetoou devido a más técnicas de programação, mais variáveis são necessárias para identificar uma determinada página. Aqui está um exemplo de um URL dinâmico:

Infelizmente, este tipo de URL não é amigável nem para pessoas, nem para mecanismos de busca. Segundo é possível ler nas Diretrizes Técnicas das Diretrizes para Webmasters da Central do Webmaster Google,

Se você decidir usar páginas dinâmicas (por exemplo, o URL que contém um caractere “?”), saiba que nem todos os spiders de mecanismos de pesquisa rastreiam as páginas dinâmicas e estáticas. Isso ajuda a manter os parâmetros curtos e a quantidade desses parâmetros pequena.

Por isso, é altamente recomendado usar algum tipo de reescrita de URL, como mod_rewrite, para converter as URLs dinâmicas para URLs amigáveis. Qual é o risco, se isso não for feito? Bem, se há muitos parâmetros em URLs: os motores de busca podem não indexar as páginas; além disso, geralmente  URLs não amigáveis não contém palavras-chave importantes no endereço, então, não raramente você pode conseguirá rankings inferiores para essas páginas do que se elas tivessem URLs amigáveis.

Usar muito JavaScript, frames/iframes, AJAX, Flash e Silverlight

JavaScript, frames/iframes, AJAX, Flash e Silverlight são ferramentas úteis e alguns deles, quando bem usados, melhoram a experiência do usuário. Mas nenhum deles é search engine friendly.

As mesmas Diretrizes Técnicas do Google citadas, indicam:

Use um navegador de texto como o Lynx para examinar o seu site, pois muitos spiders de mecanismos de pesquisa veem o site do mesmo modo que o Lynx. Se recursos especiais como JavaScript, cookies, IDs de sessão, frames, DHTML ou Flash permitirem que você veja todo o site em um navegador de texto, os spiders dos mecanismos de pesquisa poderão ter dificuldade em rastrear o seu site.

Se o objetivo é que o site seja amigável aos mecanismos de busca, devemos verificar se eles podem ser vistos usando browsers de texto simples como o Lynx (que é como o googlebot “vê” os sites). É possível usar emuladores do Lynx ou desabilitar CSS e imagens diretamente no navegador (se usar, Firefox, uma ótima opção é usar o plugin Web Developer).

Não usar o atributo alt em imagens e não otimizar o caminho das imagens

Os motores de busca (e computadores, em geral) não são muito bons em identificar o que é representado em uma imagem. Portanto, a fim de compreender sobre o que uma imagem é, os bots analisam o nome e o atributo “alt” das imagens.

O Google Image Search pode trazer uma quantidade significativa de tráfego. Se você não garantir o “apoio” a mecanismos que permitam a otimização de imagens, você pode perder uma boa fonte de tráfego. Assim, garanta que você use corretamente ambos, o atributo alt e o nome da imagem – usar um CMS que permita esse tipo de otimização é uma boa dica.

Usar métodos incorretos para oferecer suporte a idiomas diferentes

Quando você tem sites multilíngue, tenha certeza de que a arquitetura está correta. Não há uma única forma “correta” para fazer isso. Basicamente, há três maneiras corretas para suportar um site em vários idiomas e cada um dos métodos a seguir tem alguns prós e contras:

  • Subdomínios. Exemplo: fr.example.com, gr.example.com, etc
  • Subdiretórios. Exemplo: www.example.com/fr/, www.example.com/gr/, etc
  • Diferente domínios. Exemplo: www.example.fr, www.example.gr, etc

A dica é evitar o envio de conteúdo baseado em IP sem ter a mesma versão do site disponível para todos. Também não implementar soluções ruins como passar o idioma como uma variável GET, por exemplo www.example.com/?lang=fr.

Não se preocupar com o tempo de carregamento da página

Recentemente o Google informou que passou a usar a velocidade de carregamento dos websites em seus algoritmos de classificação (apesar de isso não estar valendo para sites de todos os países do mundo). Há um debate sobre se esse recurso deve ser incluído, uma vez que não tem nada a ver com a relevância de um site. No entanto, a velocidade aumenta a experiência do usuário. Além disso, ter um site leve, que carregue rapidamente, pode melhorar seu ROI e diminuir a carga do seu servidor (conheça 8 maneiras de melhorar a performance de um site).

7 dicas de desenvolvimento web

Algumas dicas para guiar o desenvolvimento de suas páginas web são:

  • Colocar menus, cabeçalhos e rodapés em arquivos separados, a fim de realizar mudanças globais rápidas (funções “include);
  • Tentar usar subdomínios em sites multi idioimas;
  • Usar caminhos absolutos para cada página, imagem, CSS e javascript do site;
  • Usar canonicals para evitar conteúdo duplicado;
  • Usar redirecionamento 301 ao invés de 302 quando o caminho para a página mudar e nunca apagar páginas;
  • Redirecione corretamente as versões sem “www” para as que tenham “www” e vice-versa;
  • Não adicionar IDs de sessão nas URLs.

E você, conhece algum outro erro comum em desenvolvimento web que pode atrapalhar uma campanha de SEO e o que fazer para evitar/corrigir?


O que SEO pode aprender com UX?

Pontos interessantíssimos sobre UX, SEO, a relação entre ambos e o que pode acontecer a estas carreiras a partir de agora.

Experiência do Usuário (ou User Experience, também chamada UX) desempenha um papel fundamental em orientar decisões básicas que moldam web sites e produtos digitais e, cada vez mais, está “tomando seu lugar à mesa”, por assim dizer. A razão é porque UX é multidisciplinar, englobando Design, Arquitetura da Informação, Usabilidade, Design de Interface, Estratégia de Conteúdo e Pesquisa. Apesar da sua relativa “juventude”, UX, como disciplina, tem crescido exponencialmente nos últimos anos.

Consultores de SEO são trazidos mais tarde ao processo e, geralmente, têm um alcance de trabalho limitado em UX, mas seus esforços podem ter um impacto mais amplo por causa dos números. Então, por que SEO parecem ter menos força com a liderança executiva?

Ambas as disciplinas construíram suas reputações na tomada de decisões apoiadas por dados, mas como especialistas em SEO podem aplicar o sucesso de UX em seus cargos?

Breve história

Pessoas que trabalham com Experiência do Usuário (UX) não acabaram de surgir. Eles eram psicólogos, jornalistas, designers de interface e arquitetos da informação – pessoas que escutam bem e pode traduzir suas descobertas em recomendações contextuais. UX, em sua forma atual, existe desde meados da década de 1990. Anteriormente, pessoas da área de UX estariam trabalhando em áreas afins como:

  • Psicologia
  • Ergonomia
  • Interação Humano-Computador
  • Design de Produtos
  • Biblioteconomia

SEO existe desde, pelo menos, 1997, e evoluiu em conjunto com a tecnologia. Antes disso, o análogo mais óbvio seria marketing. Há pontos em comum definidos nos dados que os profissionais de UX e SEO trabalham, mas as pessoas que trabalham nestas áreas têm diferentes origens e prioridades que podem contribuir para a desconexão entre os dois.

A maioria das pessoas que querem/têm um site veem SEO como uma grande prioridade. Ninguém quer pagar por um sistema que não existe aos olhos dos mecanismos de busca e, portanto, corre o risco de ter seu crescimento obstruído. SEO é uma preocupação crítica, mas é, em última análise, secundária a uma grande experiência.

O papel da UX

Implementar processos centrados no usuário se tornou uma prioridade em muitas empresas porque tem um alto retorno sobre o investimento (ROI), muitas vezes resultando, diretamente, em maior satisfação do cliente, crescimento do negócio e engajamento de marca.

Não existe uma definição singular sobre o que é o processo de UX, já que os que atuam na área trazem sua própria combinação única de habilidades e conhecimentos para os projetos e porque as recomendações variam de acordo com cada contexto em que se está trabalhando.

Alguns diriam que UX se concentra em acrescentar “personalidade” e utilidade para um meio inerentemente sem emoção. Um bom profissional de UX irá:

  • Ajudar pessoas (“usuários”) a alcançar seus objetivos
  • Equilibrar os objetivos do negócio com a integridade da experiência do usuário
  • Em última instância, ajudar as pessoas a melhorar suas vidas através da tecnologia

A grande marca de um consultor de UX é a facilitação (entre as preocupações dos stakeholders, estratégia, design, conteúdo e engenharia). Consultores de UX idealmente atuam como agentes de mudança dentro das empresas.

SEO e UX são diferentes

As pessoas realmente não enxergar uma interseção entre UX e SEO. É mais ou menos como na Corrida de Revezamento: eles não querem se tocar, só querem se apressar e seguir em frente.

Simplificando, SEO leva as pessoas a um site, aumentando a encontrabilidade de informações; e UX as mantêm lá, fazendo com que a informação seja envolvente e utilizável. Não é mágica. Os comportamentos de busca de informação que as pessoas usam para encontrar o que estão procurando pela primeira vez são muito diferentes dos “gatilhos” que levam a tráfego repetido.

Ambas as disciplinas são necessárias para acomodar diferentes tipos de informações de comportamentos de busca; o objetivo primordial deve ser o equilíbrio entre o ranking nos mecanismos de busca e a integridade da experiência da marca. Em última instância, a relação do usuário de longa duração é com a experiência.

“Me dê alguma coisa acionável”

Todo estão fazendo o trabalho necessário para ajudar produtos digitais a encontrarem sua audiência; como isso é alcançado é “o” ponto de diferenciação. Tudo se resume a todos pedindo a mesma coisa: “Me dê alguma coisa acionável”.

O que UX e SEO consideram como “acionável”?

SEO considera métricas web como acionável – dados quantitativos que são derivados a partir de medições. Ao lidar com o tráfego web, minutos ganhos podem se traduzir em números enormes em sites de grande escala. Devido ao fato de os consultores serem trazidos mais tarde no ciclo de planejamento de um produto, há uma ênfase em melhorias incrementais conforme o tempo passa.

UX emprega métodos de pesquisa qualitativa e quantitativa em sua busca pelo equilíbrio entre utilidade e prazer. Dependendo do projeto, você pode precisar de dados quantitativos, como web analytics. Outras vezes você pode usar dados qualitativos como:

  • Entrevistas com usuários
  • Análise heurística
  • Pesquisa de campo

Essas fontes de dados, qualitativas e quantitativas, são essenciais para a identificação de oportunidades de mudança – grandes e pequenas.

Estratégia de Conteúdo e SEO a longo prazo

A longo prazo, SEO deve quase que cuidar de si mesmo com uma boa Estratégia de Conteúdoe uma “voz de marca” diferenciada – conteúdo real deveria, teoricamente, levar a ganhos reais de tráfego.

Envolvente, o conteúdo exclusivo é essencial para a sua estratégia, claro. Essa estratégia poderia envolver o crescimento do “estilo” de uma marca ou o estabelecimento de liderança de pensamento em um campo, em particular, ou o desenvolvimento de uma marca orientada a serviço. Conteúdos novos também são cruciais se você está focado em compartilhamento social e backlinking, já que ambos aumentam o alcance de um site e fazem crescer a base de usuários.

Técnicas de SEO podem desvirtuar a Estratégia deConteúdo se aplicadas em excesso. Quando os ganhos são mais de de otimização, ao invés de conteúdo real, relevante, a experiência geral é diminuída. A desvantagem desta maior ênfase na estratégia de conteúdo é que SEOs podem, eventualmente, não serem mais necessários em dado momento.

Mas existe alguma forma de agregar valor e fazer crescer o papel de SEO que não está em desacordo com a experiência holística do cliente?

Educação como chave para a elevação da disciplina

É a educação a chave para elevar a disciplina e levar a SEO para o próximo nível?

Uma coisa que UX tem feito muito bem na última década é se promover. Existe uma comunidade ativa na internet dedicada a melhorar e legitimar a UX, ajudando a próxima geração de profissionais da área a crescer em seus cargos.

Design originalmente se referia ao apelo visual, mas esses esforços criativos muitas vezes tornaram muitos sites inutilizáveis… Design se expandiu para incluir UX, o que transformou o site atrativo num sistema coeso. Os sistemas foram ficando funcionais e atrativos, mas não particularmente interessantes, daí a necessidade da Estratégia de Conteúdo.

Qual é o objetivo de um sistema atraente, funcional e envolvente que não se pode encontrar? Assim, a necessidade de SEO. É um pouco de especialidade nicho que às vezes é tratado como um adendo pelo pessoal que faz a administração.

SEO ainda está, muitas vezes, associado a táticas questionáveis devido à época em que era mais comum que atualmente comprometer a experiência global em função de pequenos ganhos em rankings de busca. Táticas como:

  • “Keyword stuffing”
  • Rodapés obesos, cheios de links
  • Conteúdo falso e/ou de baixa qualidade

Capacitar a próxima geração de designers e SEOs para tomar decisões inteligentes e educar as partes interessadas nesse sentido é a chave para o crescimento da disciplina e elevação da percepção do nível executivo de SEO.

Jakob Nielsen recentemente levantou um excelente ponto sobre SEO de curto prazo ser, principalmente, sobre um bom design. E a definição de “bom design” deve incluir projetar com SEO em mente, para além de todas as outras coisas que os designers de hoje têm de se preocupar. Seria incentivar jovens designers de projetos de sistemas a não violarem osprincípios básicos de encontrabilidade, acessibilidade e credibilidade.

Quando designers se preocupam com os princípios básicos de SEO, eles têm o poder de melhorar a integridade de seus projetos. Quando as pessoas têm um sentimento de “posse” do processo, eles são mais propensos a valorizar a ênfase adicional nas melhores práticas de SEO. Consultores então seriam livres para o trabalho mais especializado ou para encontrar novas maneiras de contribuir para expandir a definição de seus papéis.

O valor de UX

Não existe uma quantidade finita de trabalho, empregos ou de receita; a grande coisa a respeito de UX é o tanto que as pessoas estão dispostas a pagar por isso. Rúben Steiger fala sobre isso em seu artigo “Who’s the Chief Experience Officer?“.

Em seu livro “Future Shock”, de 1971, o futurista Alvin Toffler falou sobre a vindoura “indústria experiencial” em que as pessoas no futuro estariam dispostas a alocar altos percentuais de seus salários para viver experiências incríveis […] […] Empresas precisam começar a pensar sobre a relação holística entre suas marcas, produtos e serviços. “Moldar” uma experiência requer um projeto que considera estes três elementos de marca, produto e serviço, a fim de gerar resultados bem sucedidos.

Faz sentido que as empresas teriam que sentar e prestar atenção às oportunidade em mãos. Diretores de Experiência (CXOs) até já começaram a fazer incursões na estrutura executiva da indústria da tecnologia. Quantos profissionais fizeram isso recentemente?

Muitas empresas querem ser a Apple, uma empresa reconhecida pela qualidade de sua UX, mas estes “wannabes” (termos pejorativo para se referir a pessoas que querem ser o que não são) não estão dispostos a colocar o trabalho em seus processos de design de produto e cadeia de suprimentos para suavizar os solavancos. Você não pode simplesmente imitar a aparência de um sistema porque, no minuto em que os usuários começarem a tentar fazer as coisas que querem/precisam fazer, as diferenças se tornam claras.

Experiência do Usuário tem um lugar à mesa porque o valor agregado é claro. Processos eficientes de design centrado no usuário resultam em maior satisfação do cliente, o crescimento do negócio e num engajamento global de marca. A contribuição da UX para produtos digitais, em última análise, ajuda as pessoas a melhorarem suas vidas através da tecnologia.

Pode a SEO ganhar um assento à mesa?

Especialistas em SEO podem ter de se adaptar a fim de evitar o destino de “marginalização”. Estratégia de Conteúdo apenas começou a ter seu “lugar ao sol” e sua contínua popularidade poderia reduzir a necessidade de otimização de busca para todos. Especialistas em SEO terão que aprender novas especialidades no futuro ou enfrentar a concorrência cada vez mais dura por trabalhos? Há outras oportunidades além dos paradigmas habituais para fazer crescer a posição de SEO dentro das organizações?

UX capturou o Zeitgeist (“Espírito do Tempo”) porque tem uma comunidade robusta dedicada a crescer, educar e legitimar o campo, e provou seu valor para a liderança executiva. Alguns diriam que SEO tem um problema de percepção, indo sempre pelo caminho do nível executivo.

Pode ser hora de considerar uma reeducação das partes interessadas e membros da equipe sobre o valor de SEO.