Desenvolvimento web

Desenvolvimento de site por R$150,00/Mês

Desenvolvimento Web responsivo com Melhor Custo-beneficio

Planos de desenvolvimento web com hospedagem Gratís
Arquivo de desenvolvedor web | LCF HOST

Tag: desenvolvedor web


Erros comuns em desenvolvimento web para campanhas de SEO

Conheça erros comuns em desenvolvimento web para campanhas de SEO e saiba como evitá-los

Uma boa campanha de SEO acontece quando várias ações de otimização são realizadas, conjunta e simultaneamente. E, certamente, uma dos aspectos da estratégia de uma ação de SEO são as ações técnicas tomadas no desenvolvimento web.

Este é um artigo traduzido do original “Why my SEO campaign failed? Part 2: Common Web Development mistakes“, do blog Web SEO Analytics, e sofreu pequenas modificações.

Passar muitos argumentos no URL

Quando o site é dinâmico, os desenvolvedores web precisam ter uma referência sobre o qual a página, o produto ou categoria o visitante quer ver. Normalmente um ID é necessário para recuperar os dados do banco de dados. Em outros casos, devido à complexidade do projetoou devido a más técnicas de programação, mais variáveis são necessárias para identificar uma determinada página. Aqui está um exemplo de um URL dinâmico:

Infelizmente, este tipo de URL não é amigável nem para pessoas, nem para mecanismos de busca. Segundo é possível ler nas Diretrizes Técnicas das Diretrizes para Webmasters da Central do Webmaster Google,

Se você decidir usar páginas dinâmicas (por exemplo, o URL que contém um caractere “?”), saiba que nem todos os spiders de mecanismos de pesquisa rastreiam as páginas dinâmicas e estáticas. Isso ajuda a manter os parâmetros curtos e a quantidade desses parâmetros pequena.

Por isso, é altamente recomendado usar algum tipo de reescrita de URL, como mod_rewrite, para converter as URLs dinâmicas para URLs amigáveis. Qual é o risco, se isso não for feito? Bem, se há muitos parâmetros em URLs: os motores de busca podem não indexar as páginas; além disso, geralmente  URLs não amigáveis não contém palavras-chave importantes no endereço, então, não raramente você pode conseguirá rankings inferiores para essas páginas do que se elas tivessem URLs amigáveis.

Usar muito JavaScript, frames/iframes, AJAX, Flash e Silverlight

JavaScript, frames/iframes, AJAX, Flash e Silverlight são ferramentas úteis e alguns deles, quando bem usados, melhoram a experiência do usuário. Mas nenhum deles é search engine friendly.

As mesmas Diretrizes Técnicas do Google citadas, indicam:

Use um navegador de texto como o Lynx para examinar o seu site, pois muitos spiders de mecanismos de pesquisa veem o site do mesmo modo que o Lynx. Se recursos especiais como JavaScript, cookies, IDs de sessão, frames, DHTML ou Flash permitirem que você veja todo o site em um navegador de texto, os spiders dos mecanismos de pesquisa poderão ter dificuldade em rastrear o seu site.

Se o objetivo é que o site seja amigável aos mecanismos de busca, devemos verificar se eles podem ser vistos usando browsers de texto simples como o Lynx (que é como o googlebot “vê” os sites). É possível usar emuladores do Lynx ou desabilitar CSS e imagens diretamente no navegador (se usar, Firefox, uma ótima opção é usar o plugin Web Developer).

Não usar o atributo alt em imagens e não otimizar o caminho das imagens

Os motores de busca (e computadores, em geral) não são muito bons em identificar o que é representado em uma imagem. Portanto, a fim de compreender sobre o que uma imagem é, os bots analisam o nome e o atributo “alt” das imagens.

O Google Image Search pode trazer uma quantidade significativa de tráfego. Se você não garantir o “apoio” a mecanismos que permitam a otimização de imagens, você pode perder uma boa fonte de tráfego. Assim, garanta que você use corretamente ambos, o atributo alt e o nome da imagem – usar um CMS que permita esse tipo de otimização é uma boa dica.

Usar métodos incorretos para oferecer suporte a idiomas diferentes

Quando você tem sites multilíngue, tenha certeza de que a arquitetura está correta. Não há uma única forma “correta” para fazer isso. Basicamente, há três maneiras corretas para suportar um site em vários idiomas e cada um dos métodos a seguir tem alguns prós e contras:

  • Subdomínios. Exemplo: fr.example.com, gr.example.com, etc
  • Subdiretórios. Exemplo: www.example.com/fr/, www.example.com/gr/, etc
  • Diferente domínios. Exemplo: www.example.fr, www.example.gr, etc

A dica é evitar o envio de conteúdo baseado em IP sem ter a mesma versão do site disponível para todos. Também não implementar soluções ruins como passar o idioma como uma variável GET, por exemplo www.example.com/?lang=fr.

Não se preocupar com o tempo de carregamento da página

Recentemente o Google informou que passou a usar a velocidade de carregamento dos websites em seus algoritmos de classificação (apesar de isso não estar valendo para sites de todos os países do mundo). Há um debate sobre se esse recurso deve ser incluído, uma vez que não tem nada a ver com a relevância de um site. No entanto, a velocidade aumenta a experiência do usuário. Além disso, ter um site leve, que carregue rapidamente, pode melhorar seu ROI e diminuir a carga do seu servidor (conheça 8 maneiras de melhorar a performance de um site).

7 dicas de desenvolvimento web

Algumas dicas para guiar o desenvolvimento de suas páginas web são:

  • Colocar menus, cabeçalhos e rodapés em arquivos separados, a fim de realizar mudanças globais rápidas (funções “include);
  • Tentar usar subdomínios em sites multi idioimas;
  • Usar caminhos absolutos para cada página, imagem, CSS e javascript do site;
  • Usar canonicals para evitar conteúdo duplicado;
  • Usar redirecionamento 301 ao invés de 302 quando o caminho para a página mudar e nunca apagar páginas;
  • Redirecione corretamente as versões sem “www” para as que tenham “www” e vice-versa;
  • Não adicionar IDs de sessão nas URLs.

E você, conhece algum outro erro comum em desenvolvimento web que pode atrapalhar uma campanha de SEO e o que fazer para evitar/corrigir?


URLs amigáveis (slug) à WordPress

Apenda a gerar URLs amigáveis como é feito no WordPress e implemente em seu sistema PHP

desenvolvimento web em WordPress é excelente! O CMS já vem com diversas funções e funcionalidades para facilitar a vida de desenvolvedores e, até mesmo, de pessoas que não tem o mínimo conhecimento em programação (um dos objetivos é esse, mesmo).

Mas muitos desenvolvedores, principalmente os ainda incipientes, esquecem que o WordPress nada mais é do que PHP! Claro, o WP é nada mais, nada menos, que um sistema feito em PHP, como você e eu poderíamos ter feito. Mas, por motivos que me fogem ao conhecimento, as pessoas esquecem isso… Talvez o nível de abstração em programação que o CMS proporcione seja o “culpado”, mas, sinceramente, não tenho certeza.

Então, se você tiver a curiosidade de vasculhar os arquivos PHP que fazem do WordPress o que ele é, vai ter uma grata surpresa e encontrar uma rica fonte de scripts, funções e funcionalidades que você sempre quis implementar e não sabia como!

URLs amigáves à WordPress

Por exemplo, muitos querem implementar uma estrutura de URLs amigáves (gerar os famosos “slugs”) em sistemas desenvolvidos do zero  – seja através de frameworks ou em PHPU (“PHP Unha”) -, mas não sabem como. Ora, se sabemos que o WordPress possui um ótimo sistema de geração de slugs e temos acesso a seu código-fonte, tudo o que é preciso é vasculhar o código-fonte e encontrar as funções certas.

Seguindo o exemplo de gerar slugs, procurando um pouco, é possível saber que as funções necessárias se encontram em /wp-includes/formatting.php. E, como era de se esperar, as funções estão devidamente documentadas com seu escopo, parâmetros e retorno. Precisa de mais?

Para gerar URLs amigáveis à WordPress, são necessárias 4 funções. 3 “preliminares” que são:

E, com essas funções devidamente estabelecidas, a função que gera os slugs, propriamente dita:

Então, para gerar um slug em seu próprio sistema depois de implementar as funções mostradas, basta escrever:

Achou o nome da função grande ou feio? Você tem o código, altere como bem entender!

Considerações finais

O WordPress é software livre (registrado sob a licença GPL), então você pode pegar essas 4 funções e implementar em seu site/sistema/softwares sem o medo de receber uma cartinha do advogado da equipe WordPress amanhã ou depois.

Fica uma pergunta: você tem um software livre à disposição e fica quebrando a cabeça em busca de soluções de código que já existem e estão implementadas nele? Vasculhe todo o código fonte (veja alguns recursos que ajudam no artigo sobre ferramentas e recursos para desenvolvimento web) e procure por aquilo que vai lhe ser útil!

Não seja tímido! 😉


Problemas comuns de WordPress e como resolvê-los

Conheça problemas comuns de WordPress e saiba como facilmente resolvê-los através de soluções simples e eficientes.

Todos os dias há perguntas postadas nos fóruns de WordPress sobre alguns dos problemas mais comuns que novos usuários enfrentam. É fácil de instalar e divertido de trabalhar com WordPress e os novos usuários se animam, rapidmente, com os poderosos recursos oferecidos por muitos de seus plugins e temas.

Eventualmente, os neófitos se deparam com perguntas, questões e problemas que muitos antes deles também já se depararam. WordPress tem uma enorme comunidade global de usuários por trás, então, não importa o problema que um usuário esteja enfrentando, há uma boa chance de que alguns outros usuários já o tenham enfrentado e que já exista uma solução disponível para corrigir esse problema ou responder a essa pergunta.

Neste artigo, vamos discutir alguns desses problemas comuns de WordPress e aprender, através de suas soluções, como resolvê-los.

Consumo de memória do WordPress

Quando um site rodando em WordPress cresce em popularidade e pageviews, o consumo de memória é um dos primeiros (se não, o primeiro) problema que os mantenedores do site enfrentam. Se eles estão em uma hospedagem compartilhada ou um VPS, seus webhosts enviarão e-mails sobre o uso de memória e limite alocado. Pelo menos, os bons hosts farão isso; se for um de baixa qualidade, seu site pode apenas cair e você sequer vai ficar sabendo disso a tempo…

Felizmente, existem diversas soluções para esse problema.

O motivo pode ser um plugin ou tema mal feito rodando. Para descobrir, instale o plugin WP-Memory-Usage. Desative todos seus plugins, exceto o WP-Memory-Usage e, em seguida, vá ativando um por um. Observar como vai ficar o uso de memória depois de ativar cada plugin pode ajudar a descobrir qual(is) é(são) o(s) vilão(ões) da história.

Depois dessa verificação inicial, se os temas e plugins estiverem funcionando dentro do esperado, então pode ser uma ótima ideia instalar um plugin de cache, como W3 Total Cacheou WP Super Cache. Se um plugin de cache não reduzir significativamente a memória com as configurações padrão, será preciso uma configuração mais específica, alterando parâmetros tais como compressão, minify de scripts, aumentar o intervalo dos caches, etc.

Leia estes excelentes artigos (em inglês) sobre como otimizar instalações de WordPress:

Sites em WordPress hackados

Outro problema comum de WordPress é descobrir que seu site foi invadido! As chances de tal coisa acontecer em seu site podem ser significativamente reduzidas seguindo algumas dicas práticas de segurança para WordPress.

Existem diferentes tipos de hacks que os usuários do WordPress enfrentam. O mais comum deles é quando um site redireciona para algum outro site com conteúdos ilegais e/ou obscenos, links injetados para outros sites, códigos estranhos em arquivos de temas, etc. Lembre-se de que, na maioria das vezes, é fácil corrigir esses problemas.

  • Mantenha sempre a instalação do WordPress atualizada com a última versão
  • Faça backups regulares de sua instalação e banco de dados WordPress
  • Execute o WP-Security-Scan, um excelente plugin para detectar códigos suspeitos em seus temas, plugins e arquivos principais do wordPress. Se você encontrar algo suspeito em plugins ou temas, apague! Se você encontrar algo suspeito no core do WordPress, substitua por novos!
  • Verifique regularmente seu arquivo .htaccess por mudanças e códigos suspeitos
  • Leia o artigo “My site was hacked” no Codex do WordPress, peça ajuda em fóruns, peça a ajuda do seu provedor de hospedagem para ter certeza que não aconteceu um ataque em todo o servidor.

Perda da senha de admin e/ou e-mail

É realmente surpreendente quantas pessoas instalam o WordPress e esquecem seus nomes de usuário, senha e e-mail utilizados durante a instalação. Existem várias maneiras de recuperar senha e nome de usuário e é importante conhecer algumas delas.

Recuperar senha do WordPress via PHPMyAdmin

Se você tiver acesso ao banco de dados através do phpMyAdmin, vá até lá e encontre a tabela wp_users. Clique na aba “Procurar” e, em seguida, encontre seu user_login. Clique no ícone “Editar”, à esquerda da linha. Agora você vai ver sua senha encriptada; exclua e substitua por qualquer senha que quiser. Haverá um drop-down “Funções” ao lado. Clique sobre ele e selecione “MD5”. Clique em “Executar” e pronto, você atualizou sua senha!

Recuperar senha do WordPress por FTP

Conecte em seu site via FTP, vá em wp-content/themes/SEU_TEMA. Substitua “SEU_TEMA” com o nome do tema ativo em seu site. Edite o arquivo functions.php (se você não tiver um no seu tema, crie). Adicione esta linha:

Substitua “NovaSenha” com qualquer senha que você quiser. O “1” é o para o user_ID – supondo que você é o admin do site e não excluiu o primeiro usuário que criou durante a instalação.

Faça upload do arquivo editado de volta para o servidor. Agora, faça o login usando a senha que você adicionou no functions.php. Uma vez que você tenha conseguido logado, lembre-se de apagar esta linha de seu arquivo de funções.

Escrevendo código em posts e widgets

Para fazer o WordPress mais seguro e proporcionar um ambiente confiável e consistente, por padrão a plataforma não permite que os usuários insiram códigos nos posts, comentários e widgets. No entanto, depois de algum tempo a maioria dos novos usuários se sente confortável o suficiente com o WordPress para querer adicionar funcionalidades diferentes nessas áreas.

Por exemplo, para mostrar os códigos deste artigo, não é possível simplesmente colar o código. Ele seria retirado pelo WordPress e não seria mais legível.

Adicionando código nos posts do WordPress

Codex do WordPress sugere o uso de entidades HTML para escrever código, mas esta é uma forma muito custosa de se fazer isso. Então, se você pretende compartilhar regularmente trechos de código com os visitantes de seu website, então você precisa de algum plugin específico, tal como o Syntax Highlighter Evolved.

O plugin permite escrever código em seus posts e estilizar códigos com shortcodes. É muito fácil de usar, personalizável e suporta várias linguagens incluindo PHP, JavaScript, HTML e CSS.

Adicionando código nos widgets da barra lateral

Também pode haver a necessidade de exibir trechos de códigos em Widgets ou adicionar uma função ou tag em um widget. Para isso, é possível instalar algum plugin, como PHP Code Widget ou Widget Logic.

Conclusão

Certamente, deve haver outras perguntas comuns, questões e problemas que os novos usuários de WordPress muitas vezes se deparam. A primeira coisa a se fazer quando se deparar com qualquer problema com seu site WordPress é pesquisar.

Faça buscas usando diversos termos e você vai ver que muitas pessoas já forneceram soluções para esses problemas de WordPress. Se não, você pode sempre fazer perguntas no Fórum WordPress, IRC e outros fóruns WordPress relacionados.

E você, conhece algum problema comum de WordPress e a solução adequada?


Pixels, pixels ou pixels? Dicas de Web Mobile com viewport

Foi-se o tempo em que pixel significava apenas o menor ponto na tela. Bastava dizer que uma imagem tinha 200px, e então ela ocuparia 200 pontos, ou seja, 25% de uma tela de tamanho padrão 800×600.

Mas o mundo mobile mudou completamente o jogo e, hoje, o conceito de pixel pode significar várias coisas.

(Atualização: escrevi mais detalhadamente sobre esses aspectos dos pixels diferentes e viewport, incluindo telas retina, no meu livro A Web Mobile, publicado pela editora Casa do Código. Se você estuda design responsivo, sites mobile, e assuntos relacionados, vai gostar desse livro.)

Os primeiros Smartphones

Era muito comum que os smartphones da Nokia lá pelos idos de 2007 tivessem uma resolução de 240×320 pixels, como um N95.

Quando surgiu o primeiro iPhone, sem teclado e só touch, a Apple decidiu explorar um tamanho maior de tela, 320×480 pixels. Era o dobro dos pixels normalmente usados na época, com um tamanho físico mais ou menos também com o dobro do tamanho.

Esses valores representam o tamanho físico do aparelho, o número de pixels físicos existentes. Na prática, um iPhone conseguia exibir páginas com mais que 320 pixels de largura. O truque era trabalhar com a ideia de zoom.

Na imagem anterior, abrimos o site da Caelum, que tem 960px de largura, em um iPhone de 320px. Repare como, apesar de menor, o Site está sendo renderizado corretamente.

Mas nosso HTML e CSS não foi codificado pensando em 320px, e sim em 960px. Quando colocamos a imagem do logotipo, por exemplo, nosso HTML diz <img src=".." width="160" height="50">. E, obviamente, o logo não está sendo renderizado a 160px, senão ocuparia metade da tela de 320px do iPhone. Se você medir, verá que o logo está sendo renderizado em mais ou menos 52px, ou 1/6 da tela do iPhone.

CSS pixels e o layout viewport

Repare que usamos uma medida de pixels no HTML/CSS que difere do pixel real usado na tela. O navegador do iPhone, na verdade, se comporta como se tivesse 980px de largura, embora o aparelho tenha apenas 320px. Isso é feito para que o usuário possa ver páginas feitas para Desktop sem problemas.

Nossa página funciona como se tivéssemos 980px disponíveis. Quando escrevemos “245px” no CSS, estamos nos referindo a 1/4 dessa tela imaginária de 980px. Na hora de exibir, porém, os 980px serão encaixados nos 320px reais, aplicando um zoom out.

Essa tela imaginária de 980px é o que chamamos de layout viewport. É o tamanho com o qual trabalhamos no nosso HTML/CSS, sem nos preocuparmos com a renderização no aparelho. Repare que um pixel no layout viewport tem outro significado do pixel físico do aparelho. É comum chamá-lo de CSS pixel.

Zoom e o visual viewport

Mas navegar no celular nessa página gigante sem zoom é praticamente impossível. A grande diferença da navegação mobile com a Desktop é o frequente uso do zoom e o scroll em todas as direções.

Na imagem acima, demos um zoom para ver mais detalhes. Repare que a o layout da página continua o mesmo. Um elemento de “245px” continua ocupando 1/4 do total do nosso layout viewport. A diferença é que, agora, só estamos visualizando uma parte do layout viewport; o restante está fora da tela, e precisaríamos fazer scroll para ver.

Isso nos leva para outro conceito importante: o visual viewport, que representa o tanto do layout viewport que conseguimos visualizar no momento.

Geralmente não estamos interessados no tamanho do visual viewport. Lembre que os CSS pixels são sempre relativos ao layout viewport.

Sites mobile e a meta tag viewport

Abrir um site Desktop no celular é uma experiência pouco agradável. Frequentemente, vamos querer criar uma página otimizada para mobile, que não demande tanto zoom e já mostre o conteúdo em tamanho e formato interessantes para uma tela tão pequena.

Como fazer? Obviamente, não podemos deixar a página com layout fixo em, por exemplo, 960px. Podemos tentar um width:100% no elemento principal, pensando em se adaptar a diversos tamanhos de tela.

Nosso layout viewport é considerado como 980px e o site é mostrado como se fosse de Desktop, com zoom mínimo e conteúdo praticamente ilegível. Que tal colocar width:320px, o tamanho real do dispositivo?

O layout viewport continua em 980px mas o conteúdo fica em 320px. O usuário precisa dar zoom para visualizar e, pior, a página fica com um imenso espaço em branco.

O que precisamos é uma forma de redimensionar o layout viewport para que ele seja mais adequado a tela pequena do mobile. A Apple introduziu uma meta tag viewport no iPhone que, depois, foi adotada em praticamente todas as plataformas móveis – Android, Opera, Windows Phone etc.

<meta name="viewport" content="width=320">

Isso indica ao navegador que o layout viewport deve ser 320px. Agora, colocar width:100% vai significar 320px, deixando a visualização mais confortável.

Viewport flexível com device-width

Deixar “320” fixo na nossa tag de viewport pode não ser uma boa ideia. Há diversos aparelhos diferentes no mercado, cada um com tamanho diferente. E mobile agora também inclui tablets, como o iPad, que tem largura de 800px.

É possível deixar a meta tag viewport com tamanho flexível, baseado no tamanho do aparelho. Basta usarmos:

<meta name="viewport" content="width=device-width">

Isso assumirá o valor, por exemplo, de 320px no iPhone e 800px no iPad. Outros aparelhos poderão assumir outros valores.

Altíssimas resoluções

Antes de aparecerem os Androids de alta resolução e, depois, o iPhone 4, toda a história dos pixels se resumia a diferença entre os CSS pixels e os device pixels. Isso porque um device pixel no iPhone clássico significava um pixel físico na tela.

A retina display mudou isso. O iPhone 4 passou a vir com resolução de 640×960 pixels, melhorando a renderização de textos e imagens. Outros celulares foram até além. O Galaxy Nexus, por exemplo, tem resolução HD de 720x1280px.

Como ficam nossas páginas mobile então que assumiam uma resolução bem menor? Com resolução tão alta quanto um Desktop, os celulares mais modernos vão renderizar as páginas bem pequenas, como um site Desktop? Nossas páginas continuam funcionando porque esses dispositivos de alta resolução continuam reportando um device-width de 320px, pra manter a compatibilidade.

A ideia de reportar um device-width diferente do tamanho de pixels físicos surgiu no Android e depois foi copiada pelo iOS e outras plataformas.

Dessa forma, conseguimos evoluir a resolução da tela com densidades de pixels maiores (dpi) sem afetar a forma como o usuário usa nosso Site mobile, que continua otimizado para telas pequenas.

Os três pixels

Um pixel, pode então, representar três conceitos diferentes quando lidamos com mobile:

Pixel físico: número real de pixels na tela. Nos celulares modernos, é um número altíssimo, com ótima resolução, geralmente com densidade acima de 300 dpi.

Device pixel: é o número de pixels reportado pelo aparelho como sendo seu tamanho. É pensado pra ser um valor que ofereça conforto visual para o usuário olhando para aquele tamanho de tela. É comum que esse valor seja 320px em celulares, copiado do iPhone original.

CSS pixel: é o que usamos no HTML/CSS como px, representando um tamanho dentro do layout viewport. Quando colocamos a meta tag viewport com valor width=device-width, estamos dizendo que nosso CSS pixel é igual a um Device pixel.

Hoje, no Desktop, esses três pixels são equivalentes**. Mas, em breve, teremos que lidar com esse tipo de diferença também no Desktop com a chegada das telas de alta densidade também aos computadores.

Lidando com zoom

Mesmo otimizando nossa página para 320px, o usuário ainda pode dar zoom na página. Em alguns cenários, pode ser interessante desabilitar o zoom, o que pode ser feito na tag viewport com user-scalable:

<meta name="viewport" content="width=device-width, user-scalable=no">

De maneira geral, é interessante deixar o usuário dar zoom caso queira, já que este é um gesto comum ao usar a Web no celular. Podemos, porém, controlar os níveis de zoom com as propriedades minimum-scale e maximum-scale:

<meta name="viewport" content="width=device-width, minimum-scale=0.5, maximum-scale=4">

O código acima indica que o usuário pode aumentar até 4x a página e diminuir até pela metade.

Podemos controlar também o nível padrão de zoom quando a página é aberta, com initial-scale:

<meta name="viewport" content="width=device-width, initial-scale=1.0">

O valor 1.0 é muito comum quando trabalhamos com device-width e significa o zoom padrão. Se tivermos uma página Desktop não otimizada pro viewport de mobile, podemos usar essa propriedade para controlar o zoom inicial (lembre que o inicial é mostrar todo o layout viewport de 980px, o que pode não ser interessante).

Por fim, é importante citar um bug do iOS que afeta o zoom e o viewport quando rotacionamos o dispositivo em uma página com width=device-width que permita zoom. Se você abre a página no modo retrato, ele vai assumir o scale como 1.0, deixando o visual viewport igual ao layout viewport. Ao rotacioná-lo para modo paisagem, o dispositivo mantém o visual viewport no valor antigo, mas aumentando o layout viewport. Na prática, a página dá zoom automático e o lado direito da página não fica visível. O usuário, que não deu zoom, precisa diminuir o zoom para ver tudo.

É um bug famoso que acontece só no Mobile Safari do iOS, não existindo no Android e outras plataformas. A solução mais direta é desabilitar o zoom por completo, algo que é feito em diversos sites mobile por causa desse bug. Mas não é a solução ideal, já que poder dar zoom é uma feature que interessa ao usuário mobile. Existem alguns hacks para tentar resolver esse problema no iOS.

Conclusão

Trabalhar com telas diferentes é um grande desafio. O uso da meta tag viewport procura facilitar a padronização das páginas nos mais diversos tamanhos de telas e densidades de pixels. Compreender os diferentes significados de viewports e pixels é essencial para se desenvolver para mobile.

E, usando ainda media queries, podemos criar páginas que se adaptem facilmente a diversos dispositivos.

O curso WD-43 da Caelum, de desenvolvimento Web, trata também de tópicos de Web Mobile. Mostramos o uso do viewport e media queries para criação de uma página responsiva. Além disso, meu livro A Web Mobile, aprofunda em diversos assuntos de design responsivo e aspectos técnicos de sites para dispositivos móveis.

Referências

** No Desktop, quando damos zoom numa página, também temos a complicação dos viewports diferentes e a diferença entre CSS pixels e device pixels. Mas, na prática, todo mundo ignora e assume zoom de 100%, onde os CSS pixels são iguais aos device pixels.


Missões de manutenção do site
Mantenha seu negócio on-line funcionando sem problemas com um controle mensal dessas áreas cruciais
Recentemente, eu estava na concessionária de automóveis assistindo o trabalho de mecânica no meu carro, e de repente um pensamento me pareceu: quantos proprietários de empresas on-line verificam regularmente sob o capô para garantir que seus sites estejam funcionando sem problemas?

E mesmo que você faça exames freqüentes no seu site, você tem certeza de que está dando uma resposta completa? Cerca de uma vez por mês, você deve “pular o capuz” para realizar um check-up abrangente, encontrar o que não está funcionando e consertá-lo. Aqui está o que você deve procurar:

Estatísticas de tráfego O
seu host deve fornecer estatísticas básicas, mas considere obter o programa gratuito do Google Analytics ou usar os serviços de uma empresa de análise de internet baseada em taxas – você terá uma visão mais profunda de como seus visitantes viajam através do seu site. Você deve ser capaz de responder as seguintes perguntas:

  • Em quais páginas seus visitantes deixam seu site? Por exemplo, eles abandonam seu site na página da ordem sem fazer um pedido? Em caso afirmativo, talvez haja um problema com o processo de check-out.
  • Quanto tempo os visitantes gastam no seu site e em cada página individual? Se eles visitam sua página inicial e depois saem quase que imediatamente, obviamente você não está chamando sua atenção.
  • Como seus visitantes o acham? São sites particulares que enviam muito tráfego ao seu lado? Você pode aproveitar isso de alguma forma em parceria com eles? A maioria de seus visitantes vem de um motor de busca específico? Em caso afirmativo, qual poderia ser o motivo disso – e como você pode contrariar o tráfego de outros motores de busca? Quais palavras-chave e ofertas em seus anúncios de pagamento por clique estão melhorando? Você pode incorporá-los em outros lugares em seu site?
  • O que está causando picos de trânsito? De onde vêm os visitantes? Existe um novo link apontando para o seu site? Uma campanha de e-mail ou anúncio de PPC é particularmente bom? Poderia haver uma razão sazonal? Como você pode fazer isso uma ocorrência regular?
  • Onde vivem os seus visitantes? Se houver muito interesse de um determinado local, você pode ajustar seu site para atender especificamente a essas pessoas (por exemplo, oferecendo serviços em outro idioma)?
  • Quais termos de pesquisa e palavras-chave resultam na maior parte do tráfego para o seu site? Você pode colocar mais destes – ou outras palavras-chave semelhantes – em seu código e conteúdo para atrair ainda mais tráfego?

Estatísticas de vendas O
tráfego é bom, mas as vendas fazem você ganhar dinheiro. Acompanhe suas taxas de conversão – a porcentagem de seus visitantes que realmente se tornam clientes pagantes. Muitas rotas com poucas conversões indicam que existe algum tipo de desligamento entre a mensagem que leva as pessoas ao seu site e a mensagem que eles estão a ver quando chegarem lá. Olhe para onde você perde essas pessoas e você verá por onde começar a ajustar e testar. O menor tráfego com altas conversões significa que você está fazendo as coisas certas no seu site e você precisa se concentrar em obter mais tráfego.

Taxas de resposta por e-mail
Verifique sempre seus números de tráfego e vendas cuidadosamente após cada envio de e-mail. Você pode descobrir quais linhas de assunto e ofertas promocionais estão funcionando melhor para você, e mesmo quais horas do dia, semana e ano são melhores para seus e-mails.

O e-mail ainda é uma das técnicas de marketing mais eficazes, e você aproveitará o máximo se você automatizar todas essas tarefas de e-mail desde o início. Um sistema de gerenciamento de e-mail como iContact economizará tempo e fornecerá resultados detalhados em um formato amigável para que você possa facilmente analisar o que está funcionando e o que precisa funcionar.

Manutenção geral
Aqui estão algumas outras coisas relacionadas ao seu site que você deve observar de perto:

  • Verifique se há links quebrados e outras falhas técnicas em seu site. As Ferramentas do Google para webmasters podem ajudar com isso. Outro bom recurso para verificar links quebrados e outros fatores que afetam o desempenho do seu site – como a velocidade de carregamento do seu site – é o Sitereportcard.com .
  • Procure palavras-chave relevantes para sua indústria para ver se o seu site aparece nos resultados da pesquisa.
  • Verifique os sites dos seus concorrentes regularmente para ver se eles estão executando promoções especiais ou têm novos produtos. Se você realmente deseja ver seu funcionamento interno, você pode usar uma ferramenta paga como KeywordSpy ou iSpionage para ver quais palavras-chave estão usando e onde. E certifique-se de se inscrever para seus boletins informativos ou feeds RSS – é uma ótima maneira de manter a guia sobre o que eles estão fazendo.
  • Procure na web frases aleatórias das páginas do seu site para se certificar de que ninguém esteja usando seu conteúdo sem voltar para você.
  • Procure no nome da sua própria empresa e URL para ver se alguém está dizendo algo ruim sobre você.

Um mau funcionamento no seu site pode ser tão prejudicial para o seu negócio como uma falha de freio seria para o seu carro. Idealmente, você deve reservar um dia a cada mês para realizar uma revisão importante do site. Isso manterá seu negócio funcionando tão bem como um motor bem oleado.


Uma nova ferramenta para adicionar recursos do Facebook ao seu site

Boas notícias para o empresário das redes sociais: o Facebook facilitou a integração de suas funções sociais em muitos sites. O gigante da mídia social baseado em Menlo Park lançou seu próprio plug-in pré-fabricado para o popular site e ferramenta de blogs , o WordPress.

Com o novo plug-in, chamado Facebook para WordPress , os proprietários de sites podem adicionar botões Like, Subscribe, Send e Recomendações facilmente em páginas não só, mas também em álbuns de fotos e lojas online – adicionando opções adicionais de compartilhamento e engajamento. Uma função chamada Social Publisher publica automaticamente novos conteúdos em um site de volta para a página do Facebook da empresa. Existem também funções Insights, que acompanham a quantidade de atividade que ocorre.

Ao ser apelidado de “o oficial” plug-in do Facebook para o WordPress, esta ferramenta entra em um campo lotado de complementos do Facebook, incluindo o Facebook Connect , o Facebook Tab Manager e os membros do Facebook .

Aqui estão quatro razões pelas quais um negócio pode considerar a integração de recursos do Facebook em sua experiência online:

1. É fácil de adicionar. 
Os sites que funcionam no WordPress devem encontrar o plug-in simples de baixar e configurar a partir dos painéis de controle do WordPress. As opções incluem cor, tamanho e escolha as páginas para colocar links no Facebook.

Para sites que não usam o WordPress, você ainda pode adicionar muitos desses recursos ao seu site. Visite os desenvolvedores.Facebook.com e escolha entre opções semelhantes. O Facebook fornecerá algumas linhas de código para copiar e colar nas ferramentas de edição nas páginas de controle de um site.

2. Obter novos “amigos”. 
Ao adicionar um botão “Curto” ou “Compartilhar” em uma página ou publicação, as empresas estão permitindo que clientes e visitantes compartilhem conteúdo facilmente em suas próprias paredes no Facebook. Esse recurso pode ajudar a espalhar a mensagem de uma empresa mais, mais rápido e ajuda as informações a serem virais.

Considere também usar o recurso de comentários do Facebook. Permite que as empresas evitem discriminadores anônimos e coloca nomes e rostos reais para comentários.

3. Acesse análises mais detalhadas. 
O recurso Insights do plug-in pode fornecer uma dimensão adicional às análises para empresas. As empresas já têm acesso aos dados de log da Web para quantas pessoas visitam seu site e de onde elas são. Mas com a Insights, as empresas podem dizer quantos visitantes realmente “gostam” de uma página.

Por exemplo, postar um álbum de fotos com 100 visualizações pode ser analisado adicionalmente, rastreando qual imagem obtém o máximo de “Likes”. Os dados que você coleciona da Insights podem ajudá-lo a melhorar o envolvimento do cliente com seu site.

4. Mantenha sua marca socialmente relevante. 
O plug-in torna tão simples quanto possível colocar um ícone bem conhecido, como o botão “Curtir” do Facebook na página da empresa. Com mais e mais clientes socialmente conscientes, isso pode ajudar a aumentar a credibilidade adicional em um site.


Novo Firefox funciona como um coelho

Novas versões de versões dos navegadores não recebem o zumbido que costumavam obter, mas o Firefox Quantum é uma exceção.

A última versão do navegador da Fundação Mozilla, lançado na terça-feira, é tudo sobre desempenho. O Firefox é duas vezes mais rápido que o ano passado, afirmou a Mozilla. Não é apenas rápido na inicialização – permanece zippy mesmo quando tributado por várias abas.

“Temos um melhor equilíbrio de memória com o desempenho do que todos os outros navegadores”, disse o vice-presidente do Firefox, Product Nick Nguyen.

“Nós usamos 30 por cento menos memória, e o motivo disso é que podemos alocar o número de processos que o Firefox usa em seu computador com base no hardware que você possui”, disse ele à TechNewsWorld.

$ 1 milhão de experiência em US $ 300 para laptop

As melhorias de desempenho em Quantum podem ser uma bebida da fonte da juventude para muitos sistemas de usuários do Firefox. “Um número significativo de nossos usuários estão em máquinas com dois núcleos ou menos, e menos de 4 gigabytes de RAM”, explicou Nguyen.

O aumento de desempenho pode ser atraente para outros usuários também.

“Nós temos um ótimo navegador para você, mesmo que você não tenha o computador mais recente”, disse Nguyen. “Nós vemos uma grande oportunidade para pessoas com US $ 300 laptops ter uma excelente experiência moderna”.

O público-alvo da Quantum provavelmente é proprietário de PCs mais antigos que sentem a maior dor no momento, disse Rob Enderle, analista principal do Grupo Enderle .

“A geração atual de navegadores avançados é bastante intensiva em recursos, o que retarda as máquinas e cria atrasos que os usuários acham realmente irritantes”, disse ele à TechNewsWorld.

Além das melhorias sob o capô, a Mozilla redesenhou a interface do usuário do Firefox.

“Chamamos essa iniciativa” Photon “, e seu objetivo é modernizar e unificar tudo o que chamamos de” Firefox “, enquanto aproveitamos o novo e rápido mecanismo”, escreveu Mark Mayo, vice-presidente sênior do Firefox, em uma publicação online.

“Para criar o Photon, nossa equipe de pesquisa de usuários estudou como as pessoas navegavam na Web”, explicou. “Nós olhamos para o hardware do mundo real para tornar o Firefox ótimo em qualquer exibição, e nós nos certificamos de que o Firefox parece e funciona como o Firefox independentemente do dispositivo que você está usando”.

Momento fortuito?

Além de anunciar o lançamento da Quantum, a Mozilla informou na terça-feira que fez do Google seu provedor de busca padrão nos Estados Unidos e no Canadá.

As receitas dessa parceria devem beneficiar a Mozilla.

“Esperemos que ele ajude a continuar seus esforços de desenvolvimento e construir o motor Quantum”, disse Ross Rubin, analista principal da Reticle Research .

O lançamento de Quantum pela Mozilla foi uma jogada defensiva, ele disse à TechNewsWorld. “É para evitar uma nova erosão da base de usuários do Firefox, que teve um forte sucesso nos últimos anos”.

O Quantum poderia fazer mais por Mozilla do que simplesmente evitar defecções do Firefox, manteve Charles King, analista principal da Pund-IT .

“A Quantum parece ser projetada para trazer usuários anteriores, que abandonaram a Mozilla em última análise para o Google Chrome, de volta ao Firefox”, disse ele à TechNewsWorld.

“A chegada de Quantum também coincide com o que parece um crescente descontentamento entre os usuários do Google Chrome e o Microsoft Edge”, acrescentou King. “Em outras palavras, não poderia haver um tempo melhor para a Mozilla para apresentar um novo navegador inovador”.

Tough Browser Market

Mesmo com vantagens de desempenho, a Quantum terá dificuldade em conquistar o compartilhamento de navegador do líder Chrome, que possuía cerca de 47% do mercado de desktop a partir do mês passado, de acordo com números do NetMarketShare.

Com 6,53 por cento do mercado, o Firefox foi um terceiro distante, por trás do Microsoft Internet Explorer com 12,52 por cento.

“O novo Firefox Quantum é consideravelmente mais rápido, o que foi um grande problema para o antigo Firefox”, disse Greg Sterling, vice-presidente de estratégia e visão da Local Search Association .

“Comparado com o Chrome, o antigo Firefox era muito lento, então esta é uma melhoria real”, disse ele à TechNewsWorld.

“O desafio será conquistar os usuários que desertaram para o Chrome – além dos que são filosóficamente opostos ao Google”, afirmou Sterling. “Eu suspeito que veremos uma melhoria incremental no compartilhamento de mercado do Firefox, mas esse lançamento não mudará as coisas drasticamente”.


5 dicas para projetar seu site para atender cada cliente individualmente

Pesquisas atuais mostram que 40% dos consumidores compram mais de varejistas que personalizam sua experiência de compra em todos os canais. Além disso, quase três em cada quatro, ou 74 por cento, de consumidores online ficam frustrados com sites quando o conteúdo exibido não tem nada a ver com seus interesses. É claro que um site personalizado é uma vantagem para todos os comerciantes ou empresários que lideram um negócio de sucesso hoje.

A personalização do site leva em consideração que os usuários têm diferentes motivações, dispositivos, locais e restrições de tempo. Com a tecnologia atual, os comerciantes podem agora reunir informações específicas sobre o que um visitante do site está procurando e traduzir sua visita em uma conversão mais alta

“As organizações gastam dezenas ou centenas de milhares de dólares, e às vezes até milhões de dólares, para criar experiências dinâmicas dinâmicas na web”, explicou Itai Sadan, CEO e co-fundador da plataforma de criação de sites móveis DudaMobile . A empresa recentemente lançou no site que adiciona conteúdo web dinâmico com base no comportamento do cliente para criar experiências de visualização personalizadas.

“Ferramentas caras e esse tipo de personalização tradicionalmente requer um desenvolvimento e projeto substancial na web, e é por isso que estamos entusiasmados por ter preços acessíveis para essa indústria explosiva”, disse Sadan.

A personalização do site em uma escala de massa é realmente possível com o crescente número de opções de baixo custo disponíveis para os empresários hoje. Aqui estão cinco maneiras pelas quais os empresários podem começar a aumentar a conversão através da personalização básica do site:

1. A frequência do visitante deve determinar diferentes experiências do usuário.  Um visitante de um site pela primeira vez quase sempre estará procurando informações diferentes do que alguém que visita o site repetidamente.

David Reischer, diretor de marketing da LegalAdvice.com , sugere acompanhar cada usuário de forma diferente para dar experiências de usuário diferentes. “Utilizamos um cookie para rastrear um visitante que retorna para que possamos direcioná-los para a página mais adequada e relevante. Isso torna a navegação no site mais fácil para usuários repetidos “.

Para aumentar a conversão de visitantes pela primeira vez, inclua um número de telefone ou endereço comercial, um formulário de contato para capturar leads ou um tutorial de vídeo para explicar um produto ou serviço para um visitante pela primeira vez.

“Para visitantes frequentes, adicione um ponto para se inscrever para uma lista de endereços ou adicionar informações sobre novos produtos ou serviços”, sugere Sadan.

2. A localização geográfica ajuda a reunir o marketing online e offline.  A capacidade de saber onde alguém está no momento em que visitam um site é a mudança de jogo para os comerciantes.

“Online, podemos acompanhar a jornada de compra individual do nosso cliente, otimizando-a a cada passo”, explica Bart Heilbron, CEO e co-fundador da BlueConic , o sistema em tempo real de engajamento de clientes online. “No entanto, nunca fomos capazes de usar esses insights em nossa interação off-line. Com a localização geográfica, agora podemos fazer. ”

Se alguém está a poucos quarteirões de distância de uma empresa e procurando em um telefone celular, é provável que eles possam ser facilmente convertidos como clientes se eles veem um endereço e até um cupom que diz: “Entre hoje e descanse 20%”. restaurantes, um botão OpenTable para reservar uma tabela ou um aplicativo Google Map que fornece instruções passo a passo para o local da loja são críticos para a conversão.

3. Ajuste o conteúdo com base em determinados horários.  Alterar o conteúdo em um site com base na hora do dia, semana ou mesmo temporada também pode aumentar as conversões. Considere substituir um número de telefone disponível para os visitantes do site durante o horário comercial com um formulário de contato quando o negócio está fechado. Isso evitará perder os clientes potenciais que desejem entrar em contato fora do horário comercial.

“A capacidade de oferecer produtos diferentes ao longo de um dia com base em tendências, hábitos ou cultura direcionados aumentará as conversões”, disse o CEO da empresa de marketing na internet , WebiMax , Ken Wisnefski. “Por exemplo, um restaurante oferece um menu diferente ao longo do dia, quando eles mudam de almoço para jantar”.

4. Reconheça feriados e outros eventos especiais.  Esta é uma ótima maneira de personalizar um site e se conectar melhor com o sentimento de um cliente. Mude o tema para os corações durante o Dia dos Namorados ou adicione uma imagem de fogos de artifício durante o 4 de julho.

“Isso poderia ter um efeito positivo no engajamento do cliente e, por sua vez, conversão”, disse Sadan.

5. Capture a fonte do visitante para adaptar o conteúdo.  Conhecer a fonte de destino original que um visitante entrou em um site deve impactar significativamente o conteúdo na página de destino que eles vêem primeiro. Isso pode proporcionar uma experiência perfeita e consistente para o visitante.

De acordo com Sadan, “Os visitantes que chegam ao seu site a partir de uma campanha de marketing por e-mail ou como uma referência de outro site devem receber mensagens dedicadas que estão alinhadas com a mensagem que eles viram no e-mail ou no site de referência. Oferecer um cupom neste ponto também pode ser uma boa idéia “.


Os elementos essenciais da construção de um site de comércio eletrônico

Se você planeja vender qualquer coisa online, ter um plano de comércio eletrônico é tão importante quanto seu plano de negócios original.

O primeiro passo para escrever um plano de e-business é decidir qual o tipo de experiência que você deseja que seus clientes online tenham. Pense não só hoje, mas também em dois e cinco anos na estrada.

Seus planos de comércio eletrônico começam com os objetivos do site. Quem são seus clientes-alvo? O que eles precisam? Eles estão apenas recebendo informações ou podem comprar produtos no seu site? Essas questões-chave, perguntadas e respondidas com antecedência, determinarão quanto tempo e dinheiro você precisará desenvolver e manter uma presença on-line.

Em segundo lugar, decida quais produtos ou serviços você oferecerá. Como você irá posicioná-los e exibi-los? Você oferecerá compras on-line e off-line? Como você vai lidar com o transporte e os retornos?

Além disso, não negligencie a necessidade do cliente de alcançar uma pessoa ao vivo. Um número de telefone gratuito deve ser exibido de forma proeminente que os clientes podem ligar em qualquer momento para que suas perguntas sejam respondidas por uma pessoa ao vivo.

Se você decidir vender online, você precisará de um componente de carrinho de compras, que é um meio de lidar com o processamento do cartão de crédito e um processo organizado de realização de pedidos.

Finalmente, mesmo que você crie um site incrível, não assuma que as pessoas vão encontrá-lo por conta própria. Se você quiser desenvolver um fluxo consistente de tráfego para seu site, é essencial que você planeje e mantenha uma estratégia de promoção contínua e multifacetada que seja cuidadosamente orientada para o seu público.

Uma vez que você decidiu ter um site, um de seus primeiros itens de “fazer” é criar uma lista de possíveis nomes de sites ou URLs.

Em seguida, execute, não passe, com o computador mais próximo, acesse a internet, acesse seu mecanismo de pesquisa favorito e digite “registro de domínio”. Você encontrará uma lista de empresas, como networksolutions.com, godaddy.com e register.com, que o guiarão no processo de registro de domínio simples.

Por uma taxa modesta (US $ 8 a US $ 75), você pode registrar um nome de domínio por um ou mais anos.

A partir dos nomes disponíveis, escolha um que seja fácil de soletrar e lembrar, e descreve o que sua empresa faz. Certifique-se, no entanto, você não está impondo a marca registrada de outra pessoa ou o nome com direitos autorais. Em muitos casos, o nome da sua empresa, com a adição de dot-com (www. [YourCompanyName] .com) é um nome de domínio adequado que você deve se registrar.

Depois de registar o seu nome de domínio e ter um plano no lugar para o que deseja oferecer aos potenciais e existentes clientes on-line, o próximo grande desafio é projetar e construir seu site real e presença on-line.

oque faz um bom website? Antes de se enredar em detalhes de design, obtenha o grande quadro escrevendo um esboço do site. O conteúdo que você desenvolve e publica deve se relacionar diretamente e ajudá-lo a atingir os objetivos e metas que você definiu para o site.

Um esquema bem pensado do site inclui:

Conteúdo. A chave para um site bem sucedido é o conteúdo. Dê aos visitantes do site muitas informações interessantes, incentivos para visitar e comprar, e formas de contatá-lo. Uma vez que seu site esteja funcionando, atualize e adicione conteúdo fresco para manter as pessoas voltando.

Estrutura. Decida quantas páginas ter e como elas serão vinculadas entre si. Escolha gráficos e ícones que melhorem o conteúdo.

Desenhar. Com o conteúdo e estrutura no local, o design do site vem próximo. Se você está usando um designer externo ou fazendo isso sozinho, concentre-se na simplicidade, legibilidade e consistência. Lembre-se de se concentrar no que deseja realizar.

Navegação. Facilite e aproveite os visitantes para navegar no site. Por exemplo, não utilize mais de dois ou três links para áreas principais e nunca deixe visitantes em um beco sem saída.

Credibilidade. Este é um problema que não deve ser perdido nos sinos e assobios de estabelecer um site. Seu site deve chegar a cada visitante, dizendo a essa pessoa por que ele ou ela deve comprar seu produto ou seu serviço. Deve parecer muito profissional e dar aos clientes potenciais o mesmo sentimento de confiança que receberiam com um telefonema ou uma visita pessoal com você. Lembre os visitantes de que você não existe apenas no ciberespaço. As informações completas de contato da sua empresa – nome da empresa, endereço completo, telefone, fax e e-mail – devem aparecer em todas ou todas as suas páginas da Web individuais e serem exibidas de forma proeminente na página inicial do seu site, a LCF Host pode te ajudar a desenvolver seu comercio eletrônico, clique aqui e saiba mais.

 


Campus Party 2018 traz fundador da Apple, discussão sobre bitcoin e batalha de drones

A 11ª edição do evento acontece entre 31 de janeiro a 4 de fevereiro, no Anhembi, em São Paulo; Neste ano, 12 mil pessoas acamparão no local.

Campus Party, o maior evento de tecnologia e cultura nerd da América Latina, levará para São Paulo de discussões sobre a tecnologia por trás do bitcoin e sobre como a tecnologia pode fazer a diferença na sala de aula, além de palestras de peso, como a de Steve Wozniak, que fundou a Apple com Steve Jobs. Uma das novidades neste ano para quem visita a área aberta do evento é a batalha de drones, em que os pilotos tentam derrubar as aeronaves dos rivais

A 11ª edição da Campus Party ocorre no Pavilhão de exposições do Anhembi, em São Paulo, entre 31 de janeiro a 4 de fevereiro. Neste ano, 12 mil pessoas acamparão no local.

A expectativa da organização é que o número de visitantes chegue a 100 mil. A capacidade total de conexão, um assunto sensível para campuseiros, será de 40 Gibabits por segundo. Pela primeira vez, haverá áreas com Wi-Fi e monitoramento para evitar ataques hacker.

“Aqui a gente monta a internet de uma cidade inteira em coisa de um dia”, brincou Franceso Farruggia, presidente do Instituto Campus Party.

Francisco Farruggia, presidente do Instituto Campus Party, durante apresentação da programação 2018 (Foto: Helton Simões Gomes/ G1)Francisco Farruggia, presidente do Instituto Campus Party, durante apresentação da programação 2018 (Foto: Helton Simões Gomes/ G1)

Francisco Farruggia, presidente do Instituto Campus Party, durante apresentação da programação 2018 

Bitcoin e Blockchain

Boa parte da programação de oficinas e palestras da Campus Party será dedicada a discutir o bitcoin, a moeda virtual que passou a chamar a atenção do mundo ao se valorizar mais de 1000% em 2017 e chegar próxima da cotação de US$ 20 mil. Só que o objetivo não será analisar se a criptomoeda enfrenta uma bolha especulativa ou não, debate que dominou o mundo financeiro em 2017.

O foco será a “blockchain”, a tecnologia por trás do bitcoin, que funciona como um livro contábil em que todas as transações com a moeda são registradas de forma segura e confiável. Don Tapscott, um dos principais palestrantes desse ano, subirá ao palco para falar sobre isso. Ele é autor do livro “Blockchain Revolution: How the Technology Underlying Bitcoin is Changing Business, Money and the World” (“Revolução Blockchain: Como a Tecnologia Sustentando o Bitcoin está Mudando Negócios, Dinheiro e o Mundo”).

Boné para tirar sono

Alguns dos eventos são levados à Campus Party por patrocinadores, como Petrobras, Visa, TV Globo e Ford. “Vocês poderiam se perguntar por que uma montadora de 115 anos está aqui. E eu poderia passar o dia inteiro falando disso. A gente veio porque aqui é um celeiro de tecnologia e inovação”, afirmou Fernão Silveira, diretor de comunicação para América Latina da Ford, que vai expor um Mustang 5.0 GT, modelo que a empresa começa a importar agora para o Brasil.

A montadora mostrará algumas de suas tecnologias, como seus serviços conectados para carros e até um boné que faz caminhoneiros que estiverem dirigindo ficarem acordados.

Drones, games e educação

Apesar de palestras e workshops serem feitos em uma área de acesso restrito aos campuseiros, há atividades na área aberta da Campus Party.

Em uma arena ocorrerá o campeonato brasileiro de drones, em que pilotos profissionais usam todas suas habilidades para correr mais rápido que os adversários. Lá também os visitantes do evento poderão participar de duelos de drones. Durante eles, a velocidade fica em segundo plano e o objetivo é derrubar a aeronave dos rivais.

Em outro espaço, ocorrerá torneios de games como “Dragon Ball Z”, “Counter Strike”, “Injustice 2”, entre outros.

Outra novidade de 2018 da Campus Party é uma nova área de atuação: a educação. Haverá oficinas de robótica para crianças e adolescentes e batalhas de robôs virtuais.

Simuladores

Também na área aberta, a Campus Party reunirá 8 simuladores, como asa delta a kart, por exemplo. O destaque fica por conta do MotionSphere, um simulador de sensações vivenciadas por pilotos de aviões super-rápidos. Ele é capaz de imitar acelerações, curvas e impactos de até sete vezes a força da gravidade.

Startups e universidade

Outra área a que os visitantes poderão ir e que já esteve presente em outras edições da Campus é a Startup & Makers. Nela, 120 empresas iniciantes de tecnologia mostrarão como funcionam seus negócios, em busca de parcerias e até de investidores.

Já na Campus Future, estudantes universitários expõem protótipos de novas tecnologias criadas a partir de suas pesquisas.


Página 1 de 212