Desenvolvimento web

Desenvolvimento de site por R$150,00/Mês

Desenvolvimento Web responsivo com Melhor Custo-beneficio

Planos de desenvolvimento web com hospedagem Gratís
Arquivo de criar sites | LCF HOST

Tag: criar sites


CSS Blocks: introdução à API

Veja neste artigo uma introdução à API de CSS Blocks e comece a entender porque este é um dos melhores compiladores CSS da atualidade.

No primeiro artigo sobre CSS Blocks (o primeiro brasuca, aliás!) apresentamos o otimizador de CSS da LinkedIn, explicando um pouco sobre o porquê de sua existência e seus princípios-base. Agora, vamos a mais algumas explicações de código para entender melhor o que CSS Blocks é capaz de fazer.

Como uma breve recapitulação, CSS Blocks é um compilador inspirado em CSS Modules, BEM e Atomic CSS que, usando o OptiCSS, promete entregar estilos bem mais enxutos e performáticos. No momento da publicação deste artigo, é possível usá-lo nas templating languages JSX/React e Glimmer (com WebpackBroccoli ou Ember-CLI) — por se tratar de um projeto open source, a tendência é que mais e mais opções surjam bem rapidamente.

O que é um “Bloco”?

O nome da coisa é CSS Blocks, “Blocos CSS”; mas, segundo a metáfora de desenvolvimento escolhida, o que seria um “Bloco”?

Um Bloco é uma folha de estilo isolada, escrita em seu próprio arquivo, que contém todos os conjuntos de regras para quaisquer elementos e seus vários modos e estados de interação para uma unidade discreta de estilo — como um componente, por exemplo.

Normalmente, um único bloco conterá estilos para um componente ou conceito específico, mas é totalmente natural — e incentivado — um template usar vários Blocos e os compor juntos na marcação.

Um Bloco pode conter:

  • Seletor :scope
  • Seletores de classe
  • Seletores de estado
  • Seletores de sub-estado

Seletor :scope

O conjunto de regras de escopo contém estilos aplicados à raiz da sub-árvore de estilo com escopo. Trocando em miúdos, todos os outros elementos atribuídos a estilos de um Bloco devem estar contidos na sub-árvore do documento de um elemento atribuído ao escopo desse Bloco. Usa-se a pseudo-classe :scope para representar esses estilos.

O seletor :scope pode conter a propriedade especial block-name que torna possível fornecer um nome específico para o Bloco para um debugging mais fácil e respectiva geração de classe BEM. Se nenhum nome de bloco for fornecido, infere-se o nome do bloco a partir do nome do arquivo.

Sim, você leu corretamente: a compilação final de CSS Blocks gera nomes de classes seguindo a metodologia BEM!

Por exemplo:

Seletores de classe

Blocos podem conter outras classes que podem ser aplicadas a elementos dentro da sub-árvore de estilo escopada. São apenas seletores de classe comuns, mas são locais para esse Bloco e isolados de todas as outras classes com nomes iguais em outros Blocos.

Juntos, o seletor :scope e todos os seletores de classe (.class) declarados definem a interface completa dos elementos estilizados disponíveis para quem vai usar um Bloco.

Seletores de Estado

Estados representam um modo ou estado de interação no qual :scope ou uma classe — denominada Elemento Originário do Estado — pode estar. Os Estados são gravados como seletores de atributos com o namespace especial state.

Seletores de sub-estado

Estados no seletor :scope ou um seletor de classe podem conter sub-estados para um estilo mais granular. Os sub-estados de um Estado são mutuamente exclusivos, ou seja, um elemento só pode estar em um sub-estado de um Estado por vez.

Restrições na API de CSS Blocks

CSS Blocks implementa um subconjunto estrito de CSS. Isso significa que alguns dos recursos que normalmente poderiam ser usados em um arquivo em um arquivo de Bloco foram intencionalmente restringidos para garantir que a compilação final possa gerar estilos da maneira mais otimizada possível.

A equipe principal de desenvolvimento do CSS Blocks já planeja melhorias neste sentido; em breve, estas restrições serão bem menores.

Para ficar claro:

  • Permitido:
  • Proibido (por enquanto):
    • !important (você já deveria tê-lo banido, de qualquer maneira)
    • tag[attribute] que não seja de Estado, #id e seletores *
    • Os Combinadores Lógicos :matches():not():something() e :has()
    • Importante: seletores devem se manter rasos (shallow)

No contexto de CSS Blocks, “seletores rasos” significa:

Apenas 1 combinador por seletor

Seletores de Combinadores Hierárquicos (” “ e “>“) devem ser um estado de :scope, sub-estados ou pseudo-classes

Seletores de irmão (“+” e “~“) devem ter como target a mesma classe ou :scope usado no seletor-chave

Como todo o código é analisado e compilado estaticamente (statically) antes de atingir o navegador, obviamente um erro bastante útil será gerado caso alguma dessas restrições de sintaxe seja violada.

Conclusão

É difícil tentar decorar todas essas peculiaridades; com o tempo de uso de CSS Blocks, naturalmente isso vai se internalizar. De qualquer maneira, é bom saber que existe uma tabela bem útil mostrando o que é permitido e proibido na API — que, devido à incipiência de CSS Blocks, deve ser alterada (para melhor) bem rapidinho e com bastante frequência.

Para ficar claro, eis o que acontece na fase de Compilação de CSS Blocks:

O processo de otimização vai além; existem mais passos até que o output final aconteça — ou você achou que CSS Blocks servia só para escrever BEM de maneira mais complicadinha? Mas isso já é assunto para outro artigo…


URLs amigáveis (slug) à WordPress

Apenda a gerar URLs amigáveis como é feito no WordPress e implemente em seu sistema PHP

desenvolvimento web em WordPress é excelente! O CMS já vem com diversas funções e funcionalidades para facilitar a vida de desenvolvedores e, até mesmo, de pessoas que não tem o mínimo conhecimento em programação (um dos objetivos é esse, mesmo).

Mas muitos desenvolvedores, principalmente os ainda incipientes, esquecem que o WordPress nada mais é do que PHP! Claro, o WP é nada mais, nada menos, que um sistema feito em PHP, como você e eu poderíamos ter feito. Mas, por motivos que me fogem ao conhecimento, as pessoas esquecem isso… Talvez o nível de abstração em programação que o CMS proporcione seja o “culpado”, mas, sinceramente, não tenho certeza.

Então, se você tiver a curiosidade de vasculhar os arquivos PHP que fazem do WordPress o que ele é, vai ter uma grata surpresa e encontrar uma rica fonte de scripts, funções e funcionalidades que você sempre quis implementar e não sabia como!

URLs amigáves à WordPress

Por exemplo, muitos querem implementar uma estrutura de URLs amigáves (gerar os famosos “slugs”) em sistemas desenvolvidos do zero  – seja através de frameworks ou em PHPU (“PHP Unha”) -, mas não sabem como. Ora, se sabemos que o WordPress possui um ótimo sistema de geração de slugs e temos acesso a seu código-fonte, tudo o que é preciso é vasculhar o código-fonte e encontrar as funções certas.

Seguindo o exemplo de gerar slugs, procurando um pouco, é possível saber que as funções necessárias se encontram em /wp-includes/formatting.php. E, como era de se esperar, as funções estão devidamente documentadas com seu escopo, parâmetros e retorno. Precisa de mais?

Para gerar URLs amigáveis à WordPress, são necessárias 4 funções. 3 “preliminares” que são:

E, com essas funções devidamente estabelecidas, a função que gera os slugs, propriamente dita:

Então, para gerar um slug em seu próprio sistema depois de implementar as funções mostradas, basta escrever:

Achou o nome da função grande ou feio? Você tem o código, altere como bem entender!

Considerações finais

O WordPress é software livre (registrado sob a licença GPL), então você pode pegar essas 4 funções e implementar em seu site/sistema/softwares sem o medo de receber uma cartinha do advogado da equipe WordPress amanhã ou depois.

Fica uma pergunta: você tem um software livre à disposição e fica quebrando a cabeça em busca de soluções de código que já existem e estão implementadas nele? Vasculhe todo o código fonte (veja alguns recursos que ajudam no artigo sobre ferramentas e recursos para desenvolvimento web) e procure por aquilo que vai lhe ser útil!

Não seja tímido! 😉


Problemas comuns de WordPress e como resolvê-los

Conheça problemas comuns de WordPress e saiba como facilmente resolvê-los através de soluções simples e eficientes.

Todos os dias há perguntas postadas nos fóruns de WordPress sobre alguns dos problemas mais comuns que novos usuários enfrentam. É fácil de instalar e divertido de trabalhar com WordPress e os novos usuários se animam, rapidmente, com os poderosos recursos oferecidos por muitos de seus plugins e temas.

Eventualmente, os neófitos se deparam com perguntas, questões e problemas que muitos antes deles também já se depararam. WordPress tem uma enorme comunidade global de usuários por trás, então, não importa o problema que um usuário esteja enfrentando, há uma boa chance de que alguns outros usuários já o tenham enfrentado e que já exista uma solução disponível para corrigir esse problema ou responder a essa pergunta.

Neste artigo, vamos discutir alguns desses problemas comuns de WordPress e aprender, através de suas soluções, como resolvê-los.

Consumo de memória do WordPress

Quando um site rodando em WordPress cresce em popularidade e pageviews, o consumo de memória é um dos primeiros (se não, o primeiro) problema que os mantenedores do site enfrentam. Se eles estão em uma hospedagem compartilhada ou um VPS, seus webhosts enviarão e-mails sobre o uso de memória e limite alocado. Pelo menos, os bons hosts farão isso; se for um de baixa qualidade, seu site pode apenas cair e você sequer vai ficar sabendo disso a tempo…

Felizmente, existem diversas soluções para esse problema.

O motivo pode ser um plugin ou tema mal feito rodando. Para descobrir, instale o plugin WP-Memory-Usage. Desative todos seus plugins, exceto o WP-Memory-Usage e, em seguida, vá ativando um por um. Observar como vai ficar o uso de memória depois de ativar cada plugin pode ajudar a descobrir qual(is) é(são) o(s) vilão(ões) da história.

Depois dessa verificação inicial, se os temas e plugins estiverem funcionando dentro do esperado, então pode ser uma ótima ideia instalar um plugin de cache, como W3 Total Cacheou WP Super Cache. Se um plugin de cache não reduzir significativamente a memória com as configurações padrão, será preciso uma configuração mais específica, alterando parâmetros tais como compressão, minify de scripts, aumentar o intervalo dos caches, etc.

Leia estes excelentes artigos (em inglês) sobre como otimizar instalações de WordPress:

Sites em WordPress hackados

Outro problema comum de WordPress é descobrir que seu site foi invadido! As chances de tal coisa acontecer em seu site podem ser significativamente reduzidas seguindo algumas dicas práticas de segurança para WordPress.

Existem diferentes tipos de hacks que os usuários do WordPress enfrentam. O mais comum deles é quando um site redireciona para algum outro site com conteúdos ilegais e/ou obscenos, links injetados para outros sites, códigos estranhos em arquivos de temas, etc. Lembre-se de que, na maioria das vezes, é fácil corrigir esses problemas.

  • Mantenha sempre a instalação do WordPress atualizada com a última versão
  • Faça backups regulares de sua instalação e banco de dados WordPress
  • Execute o WP-Security-Scan, um excelente plugin para detectar códigos suspeitos em seus temas, plugins e arquivos principais do wordPress. Se você encontrar algo suspeito em plugins ou temas, apague! Se você encontrar algo suspeito no core do WordPress, substitua por novos!
  • Verifique regularmente seu arquivo .htaccess por mudanças e códigos suspeitos
  • Leia o artigo “My site was hacked” no Codex do WordPress, peça ajuda em fóruns, peça a ajuda do seu provedor de hospedagem para ter certeza que não aconteceu um ataque em todo o servidor.

Perda da senha de admin e/ou e-mail

É realmente surpreendente quantas pessoas instalam o WordPress e esquecem seus nomes de usuário, senha e e-mail utilizados durante a instalação. Existem várias maneiras de recuperar senha e nome de usuário e é importante conhecer algumas delas.

Recuperar senha do WordPress via PHPMyAdmin

Se você tiver acesso ao banco de dados através do phpMyAdmin, vá até lá e encontre a tabela wp_users. Clique na aba “Procurar” e, em seguida, encontre seu user_login. Clique no ícone “Editar”, à esquerda da linha. Agora você vai ver sua senha encriptada; exclua e substitua por qualquer senha que quiser. Haverá um drop-down “Funções” ao lado. Clique sobre ele e selecione “MD5”. Clique em “Executar” e pronto, você atualizou sua senha!

Recuperar senha do WordPress por FTP

Conecte em seu site via FTP, vá em wp-content/themes/SEU_TEMA. Substitua “SEU_TEMA” com o nome do tema ativo em seu site. Edite o arquivo functions.php (se você não tiver um no seu tema, crie). Adicione esta linha:

Substitua “NovaSenha” com qualquer senha que você quiser. O “1” é o para o user_ID – supondo que você é o admin do site e não excluiu o primeiro usuário que criou durante a instalação.

Faça upload do arquivo editado de volta para o servidor. Agora, faça o login usando a senha que você adicionou no functions.php. Uma vez que você tenha conseguido logado, lembre-se de apagar esta linha de seu arquivo de funções.

Escrevendo código em posts e widgets

Para fazer o WordPress mais seguro e proporcionar um ambiente confiável e consistente, por padrão a plataforma não permite que os usuários insiram códigos nos posts, comentários e widgets. No entanto, depois de algum tempo a maioria dos novos usuários se sente confortável o suficiente com o WordPress para querer adicionar funcionalidades diferentes nessas áreas.

Por exemplo, para mostrar os códigos deste artigo, não é possível simplesmente colar o código. Ele seria retirado pelo WordPress e não seria mais legível.

Adicionando código nos posts do WordPress

Codex do WordPress sugere o uso de entidades HTML para escrever código, mas esta é uma forma muito custosa de se fazer isso. Então, se você pretende compartilhar regularmente trechos de código com os visitantes de seu website, então você precisa de algum plugin específico, tal como o Syntax Highlighter Evolved.

O plugin permite escrever código em seus posts e estilizar códigos com shortcodes. É muito fácil de usar, personalizável e suporta várias linguagens incluindo PHP, JavaScript, HTML e CSS.

Adicionando código nos widgets da barra lateral

Também pode haver a necessidade de exibir trechos de códigos em Widgets ou adicionar uma função ou tag em um widget. Para isso, é possível instalar algum plugin, como PHP Code Widget ou Widget Logic.

Conclusão

Certamente, deve haver outras perguntas comuns, questões e problemas que os novos usuários de WordPress muitas vezes se deparam. A primeira coisa a se fazer quando se deparar com qualquer problema com seu site WordPress é pesquisar.

Faça buscas usando diversos termos e você vai ver que muitas pessoas já forneceram soluções para esses problemas de WordPress. Se não, você pode sempre fazer perguntas no Fórum WordPress, IRC e outros fóruns WordPress relacionados.

E você, conhece algum problema comum de WordPress e a solução adequada?


Pixels, pixels ou pixels? Dicas de Web Mobile com viewport

Foi-se o tempo em que pixel significava apenas o menor ponto na tela. Bastava dizer que uma imagem tinha 200px, e então ela ocuparia 200 pontos, ou seja, 25% de uma tela de tamanho padrão 800×600.

Mas o mundo mobile mudou completamente o jogo e, hoje, o conceito de pixel pode significar várias coisas.

(Atualização: escrevi mais detalhadamente sobre esses aspectos dos pixels diferentes e viewport, incluindo telas retina, no meu livro A Web Mobile, publicado pela editora Casa do Código. Se você estuda design responsivo, sites mobile, e assuntos relacionados, vai gostar desse livro.)

Os primeiros Smartphones

Era muito comum que os smartphones da Nokia lá pelos idos de 2007 tivessem uma resolução de 240×320 pixels, como um N95.

Quando surgiu o primeiro iPhone, sem teclado e só touch, a Apple decidiu explorar um tamanho maior de tela, 320×480 pixels. Era o dobro dos pixels normalmente usados na época, com um tamanho físico mais ou menos também com o dobro do tamanho.

Esses valores representam o tamanho físico do aparelho, o número de pixels físicos existentes. Na prática, um iPhone conseguia exibir páginas com mais que 320 pixels de largura. O truque era trabalhar com a ideia de zoom.

Na imagem anterior, abrimos o site da Caelum, que tem 960px de largura, em um iPhone de 320px. Repare como, apesar de menor, o Site está sendo renderizado corretamente.

Mas nosso HTML e CSS não foi codificado pensando em 320px, e sim em 960px. Quando colocamos a imagem do logotipo, por exemplo, nosso HTML diz <img src=".." width="160" height="50">. E, obviamente, o logo não está sendo renderizado a 160px, senão ocuparia metade da tela de 320px do iPhone. Se você medir, verá que o logo está sendo renderizado em mais ou menos 52px, ou 1/6 da tela do iPhone.

CSS pixels e o layout viewport

Repare que usamos uma medida de pixels no HTML/CSS que difere do pixel real usado na tela. O navegador do iPhone, na verdade, se comporta como se tivesse 980px de largura, embora o aparelho tenha apenas 320px. Isso é feito para que o usuário possa ver páginas feitas para Desktop sem problemas.

Nossa página funciona como se tivéssemos 980px disponíveis. Quando escrevemos “245px” no CSS, estamos nos referindo a 1/4 dessa tela imaginária de 980px. Na hora de exibir, porém, os 980px serão encaixados nos 320px reais, aplicando um zoom out.

Essa tela imaginária de 980px é o que chamamos de layout viewport. É o tamanho com o qual trabalhamos no nosso HTML/CSS, sem nos preocuparmos com a renderização no aparelho. Repare que um pixel no layout viewport tem outro significado do pixel físico do aparelho. É comum chamá-lo de CSS pixel.

Zoom e o visual viewport

Mas navegar no celular nessa página gigante sem zoom é praticamente impossível. A grande diferença da navegação mobile com a Desktop é o frequente uso do zoom e o scroll em todas as direções.

Na imagem acima, demos um zoom para ver mais detalhes. Repare que a o layout da página continua o mesmo. Um elemento de “245px” continua ocupando 1/4 do total do nosso layout viewport. A diferença é que, agora, só estamos visualizando uma parte do layout viewport; o restante está fora da tela, e precisaríamos fazer scroll para ver.

Isso nos leva para outro conceito importante: o visual viewport, que representa o tanto do layout viewport que conseguimos visualizar no momento.

Geralmente não estamos interessados no tamanho do visual viewport. Lembre que os CSS pixels são sempre relativos ao layout viewport.

Sites mobile e a meta tag viewport

Abrir um site Desktop no celular é uma experiência pouco agradável. Frequentemente, vamos querer criar uma página otimizada para mobile, que não demande tanto zoom e já mostre o conteúdo em tamanho e formato interessantes para uma tela tão pequena.

Como fazer? Obviamente, não podemos deixar a página com layout fixo em, por exemplo, 960px. Podemos tentar um width:100% no elemento principal, pensando em se adaptar a diversos tamanhos de tela.

Nosso layout viewport é considerado como 980px e o site é mostrado como se fosse de Desktop, com zoom mínimo e conteúdo praticamente ilegível. Que tal colocar width:320px, o tamanho real do dispositivo?

O layout viewport continua em 980px mas o conteúdo fica em 320px. O usuário precisa dar zoom para visualizar e, pior, a página fica com um imenso espaço em branco.

O que precisamos é uma forma de redimensionar o layout viewport para que ele seja mais adequado a tela pequena do mobile. A Apple introduziu uma meta tag viewport no iPhone que, depois, foi adotada em praticamente todas as plataformas móveis – Android, Opera, Windows Phone etc.

<meta name="viewport" content="width=320">

Isso indica ao navegador que o layout viewport deve ser 320px. Agora, colocar width:100% vai significar 320px, deixando a visualização mais confortável.

Viewport flexível com device-width

Deixar “320” fixo na nossa tag de viewport pode não ser uma boa ideia. Há diversos aparelhos diferentes no mercado, cada um com tamanho diferente. E mobile agora também inclui tablets, como o iPad, que tem largura de 800px.

É possível deixar a meta tag viewport com tamanho flexível, baseado no tamanho do aparelho. Basta usarmos:

<meta name="viewport" content="width=device-width">

Isso assumirá o valor, por exemplo, de 320px no iPhone e 800px no iPad. Outros aparelhos poderão assumir outros valores.

Altíssimas resoluções

Antes de aparecerem os Androids de alta resolução e, depois, o iPhone 4, toda a história dos pixels se resumia a diferença entre os CSS pixels e os device pixels. Isso porque um device pixel no iPhone clássico significava um pixel físico na tela.

A retina display mudou isso. O iPhone 4 passou a vir com resolução de 640×960 pixels, melhorando a renderização de textos e imagens. Outros celulares foram até além. O Galaxy Nexus, por exemplo, tem resolução HD de 720x1280px.

Como ficam nossas páginas mobile então que assumiam uma resolução bem menor? Com resolução tão alta quanto um Desktop, os celulares mais modernos vão renderizar as páginas bem pequenas, como um site Desktop? Nossas páginas continuam funcionando porque esses dispositivos de alta resolução continuam reportando um device-width de 320px, pra manter a compatibilidade.

A ideia de reportar um device-width diferente do tamanho de pixels físicos surgiu no Android e depois foi copiada pelo iOS e outras plataformas.

Dessa forma, conseguimos evoluir a resolução da tela com densidades de pixels maiores (dpi) sem afetar a forma como o usuário usa nosso Site mobile, que continua otimizado para telas pequenas.

Os três pixels

Um pixel, pode então, representar três conceitos diferentes quando lidamos com mobile:

Pixel físico: número real de pixels na tela. Nos celulares modernos, é um número altíssimo, com ótima resolução, geralmente com densidade acima de 300 dpi.

Device pixel: é o número de pixels reportado pelo aparelho como sendo seu tamanho. É pensado pra ser um valor que ofereça conforto visual para o usuário olhando para aquele tamanho de tela. É comum que esse valor seja 320px em celulares, copiado do iPhone original.

CSS pixel: é o que usamos no HTML/CSS como px, representando um tamanho dentro do layout viewport. Quando colocamos a meta tag viewport com valor width=device-width, estamos dizendo que nosso CSS pixel é igual a um Device pixel.

Hoje, no Desktop, esses três pixels são equivalentes**. Mas, em breve, teremos que lidar com esse tipo de diferença também no Desktop com a chegada das telas de alta densidade também aos computadores.

Lidando com zoom

Mesmo otimizando nossa página para 320px, o usuário ainda pode dar zoom na página. Em alguns cenários, pode ser interessante desabilitar o zoom, o que pode ser feito na tag viewport com user-scalable:

<meta name="viewport" content="width=device-width, user-scalable=no">

De maneira geral, é interessante deixar o usuário dar zoom caso queira, já que este é um gesto comum ao usar a Web no celular. Podemos, porém, controlar os níveis de zoom com as propriedades minimum-scale e maximum-scale:

<meta name="viewport" content="width=device-width, minimum-scale=0.5, maximum-scale=4">

O código acima indica que o usuário pode aumentar até 4x a página e diminuir até pela metade.

Podemos controlar também o nível padrão de zoom quando a página é aberta, com initial-scale:

<meta name="viewport" content="width=device-width, initial-scale=1.0">

O valor 1.0 é muito comum quando trabalhamos com device-width e significa o zoom padrão. Se tivermos uma página Desktop não otimizada pro viewport de mobile, podemos usar essa propriedade para controlar o zoom inicial (lembre que o inicial é mostrar todo o layout viewport de 980px, o que pode não ser interessante).

Por fim, é importante citar um bug do iOS que afeta o zoom e o viewport quando rotacionamos o dispositivo em uma página com width=device-width que permita zoom. Se você abre a página no modo retrato, ele vai assumir o scale como 1.0, deixando o visual viewport igual ao layout viewport. Ao rotacioná-lo para modo paisagem, o dispositivo mantém o visual viewport no valor antigo, mas aumentando o layout viewport. Na prática, a página dá zoom automático e o lado direito da página não fica visível. O usuário, que não deu zoom, precisa diminuir o zoom para ver tudo.

É um bug famoso que acontece só no Mobile Safari do iOS, não existindo no Android e outras plataformas. A solução mais direta é desabilitar o zoom por completo, algo que é feito em diversos sites mobile por causa desse bug. Mas não é a solução ideal, já que poder dar zoom é uma feature que interessa ao usuário mobile. Existem alguns hacks para tentar resolver esse problema no iOS.

Conclusão

Trabalhar com telas diferentes é um grande desafio. O uso da meta tag viewport procura facilitar a padronização das páginas nos mais diversos tamanhos de telas e densidades de pixels. Compreender os diferentes significados de viewports e pixels é essencial para se desenvolver para mobile.

E, usando ainda media queries, podemos criar páginas que se adaptem facilmente a diversos dispositivos.

O curso WD-43 da Caelum, de desenvolvimento Web, trata também de tópicos de Web Mobile. Mostramos o uso do viewport e media queries para criação de uma página responsiva. Além disso, meu livro A Web Mobile, aprofunda em diversos assuntos de design responsivo e aspectos técnicos de sites para dispositivos móveis.

Referências

** No Desktop, quando damos zoom numa página, também temos a complicação dos viewports diferentes e a diferença entre CSS pixels e device pixels. Mas, na prática, todo mundo ignora e assume zoom de 100%, onde os CSS pixels são iguais aos device pixels.


Os 11 pior pedaços de conselhos que você já ouviu (e o que fazer em vez disso)
O “2 centavos” de algumas pessoas deixa você com apenas isso.

Como instruções ruins, um conselho ruim pode orientá-lo fora da pista. Principais empresários e membros de The Oracles pesam sobre os piores conselhos que eles constantemente ouviram e o que fazer em vez disso.

Grant Cardone
Crédito da imagem: os oráculos

1. O sucesso é uma jornada, não um destino.

Quantas vezes você já ouviu a frase: “O sucesso é uma jornada, não um destino”? Por favor! O sucesso não é apenas uma “jornada”, é um estado sobre o qual você tem controle e responsabilidade. Nenhum clube da NFL conta a sua base de fãs que é a jornada que conta. Todo mundo sabe que é tudo sobre o anel: o Super Bowl. Um bombeiro que conduz um caminhão de bombeiros não está focado na jornada; Ele está focado em chegar ao fogo e colocá-lo fora.

Sua vida não é diferente. É o destino mais importante. As pessoas que dizem o contrário provavelmente correm um seminário ou tentam vender um livro. – Grant Cardone , especialista em vendas superior que construiu um império imobiliário de US $ 500 milhões e um autor de best-seller do NYT ; siga Grant no Facebook ou no YouTube

Tim Draper
Crédito da imagem: os oráculos

2. Recupere sua equipe.

Um conselho de consertos rápidos que ouço o tempo todo é: “acelerar sua equipe”. Na verdade, todo empresário deve manter seu time tão magro quanto possível até encontrar um produto forte ou um ajuste de mercado. Uma equipe maior não faz um melhor lucro.

Como mencionei no meu livro, Como ser o Startup Hero , uma vez que três grandes clientes estão pagando pelo seu serviço e estão dispostos a expandir sua compra, só então você pode “acelerar” o negócio. – Tim Draper , lendário VC, fundador da Draper Associates e DFJ

Michael Johnson
Crédito da imagem: os oráculos

3. Apenas seja positivo.

Na indústria do comportamento humano e otimização do potencial pessoal, as pessoas adoram dizer: “Apenas seja positivo”. Isso coloca as pessoas para um pesadelo de saúde mental! Ninguém é apenas positivo ou negativo; as pessoas mais bem sucedidas são equilibradas.

Se uma pessoa é excessivamente otimista, eles geralmente não consideram os riscos associados às suas ações ou aprendem através de tentativas e erros dolorosos. Muitos auto-proclamados “pensadores positivos” se espalha internamente por seus pensamentos negativos, ao mesmo tempo em que estabelecem expectativas irrealistas sobre se sentirem felizes ou pacíficas constantemente. É melhor ficar equilibrado: há uma hora e um lugar para todas as emoções. – Michael Johnson, “The Mojo Master”, palestrante e treinador de mentalidade para atletas profissionais e empresários de elite; siga Michael no Facebook

Michael Alden
Crédito da imagem: os oráculos

4. Siga o exagero.

Nova tecnologia gera exagero e desinformação. Recentemente, investei muito tempo e recursos em cryptocurrency. Eu estudei como se eu preparasse para o exame de bar. Ao analisar as tendências da corrente criptográfica, eu aprendi que você sempre deve fazer sua pesquisa. Não basta investir em algo porque seu amigo envia um texto dizendo: “Compre isso agora”. Atuar cegamente na histeria é uma receita para o desastre.

Em vez disso, faça perguntas. Leia sobre isso. Os bons empreendedores se adaptam e atuam rapidamente. Mas o melhor ato com informações confiáveis ​​para aumentar seus negócios e patrimônio líquido. Michael Alden , autor de best-seller e CEO daCloiXonné

Sharran Srivatsaa
Crédito da imagem: os oráculos

5. Não seja uma “aberração de controle”.

Todo empreendedor alto provavelmente foi criticado como um “freak de controle” em algum momento. No entanto, tendo em conta as inúmeras distrações diárias que os empresários encontram, se você quer fazer “um trabalho profundo” com um impacto abrangente, você tem de controlar o seu tempo para fazer cada dia uma obra-prima.

Meu “dia da obra-prima” é composto por seis categorias: comer, mover, dormir, trabalhar profundamente, servir e desenvolver pessoal. Cada categoria tem uma ação que eu posso realizar nesse dia, seja 30 minutos de exercício (mover) ou fazer uma chamada de inspiração 5am ​​Club (serviço). Para alcançar seu potencial, exerça controle sobre sua vida. – Sharran Srivatsaa , investidor-anjo e presidente da corretora (região ocidental) em Douglas Elliman; cresceu Teles Properties 10X em cinco anos

Steve Griggs
Crédito da imagem: os oráculos

6. Faça o que você ama e o dinheiro seguirá.

Durante anos, eu acreditei: “Faça o que você ama e o dinheiro vai seguir”. Eu perderia dinheiro em projetos e me dizia: “Não se preocupe, o dinheiro vai seguir”. Eu tive que desaprender esta lição do jeito difícil .

Em qualquer empreendimento, certifique-se de entender as finanças. Não se sinta culpado por fazer lucro. O lucro é a linha de vida de qualquer negócio. Em vez de apenas “fazer o que você ama”, eu digo, “seja justo, honesto e obtenha lucro”.

Outro conselho que eu ouvi dizer é “ficar sob o radar”. Não tenho certeza de como eu consegui isso embutido na minha cabeça; não faz sentido. Se as pessoas não o conhecem, elas não comprarão de você. – Steve Griggs , fundador e CEO da Steve Griggs Design ; O premier designer de paisagens da NYC transformou os quintais e os jardins do telhado em fugas privadas

Jared Goetz
Crédito da imagem: os oráculos

7. Sempre triturar.

Muitos empresários glorificam “o grind”. Não me interpretem mal: sou um grande proponente de trabalhar duro e fazer as coisas, mas acho que é tão importante, se não mais, ter equilíbrio.

Muitas vezes, os empresários ficam tão apanhados na moagem que não conseguem ver que o que eles estão trabalhando não os impulsiona. Trabalho inteligente. Concentre-se no seu bem-estar. Reserve tempo pessoal. Reflita. Estas práticas terão efeitos maciços e positivos sobre o seu sucesso. – Jared Goetz , empresário em série e especialista em comércio eletrônico; co-fundador de quatro empresas multimilionárias em cinco anos

John Hanna
Crédito da imagem: os oráculos

8. As decisões empresariais devem basear-se na lógica, e não nas emoções.

O conselho de fazer decisões comerciais lógicas soa racional, mas é falho. A neurociência provou que é impossível tomar decisões sem emoção. Todos entrámos em um campo de negócios armado com fatos, números e pesquisas independentes, pensando que nossa proposta é à prova de balas, apenas para receber um “No.” definitivo.

Isso porque a semente da motivação está no coração. Se você aplicar apenas lógica a negócios, você estará condenado a falhar porque a tomada de decisões é principalmente emocional. A paixão, a resistência e o zelo são impulsionados pelas emoções. Lógica, sabedoria e razão são ferramentas que a mente alavanca para que as decisões baseadas em emoções sejam bem-sucedidas. – John Hanna , autor de ” Way of the Wealthy ” e CEO doFairchild Group

Nafisé Nina Hodjat
Crédito da imagem: os oráculos

9. Seja um buldogue.

O pior conselho que recebi como advogado é: “Seja um buldogue”. Todos querem um advogado feroz e implacável. No entanto, um advogado de defesa criminal implacável e feroz sem uma estratégia holística só será efetivo em uma pequena porcentagem de casos.

Bruce Lee disse uma vez: “Seja como a água”. Resolvi muitos casos em favor dos meus clientes, adaptando a estratégia do caso e sendo aberto a abordagens não convencionais. Se sua única estratégia é ser bulldog no negócio, você vai sentir falta oportunidades para crescer e servir seus clientes de forma eficaz. -Nafisé Nina Hodjat, fundadora e advogada da Firma SLS

Shaun Rawls
Crédito da imagem: os oráculos

10. Fale até que você faça isso.

“Fake to till you make it” é uma estratégia de negócios em papel para novatos e um jogo de tolos para profissionais reais. Você nunca vai enganar aqueles que você quer conquistar, e você pode apenas prejudicar sua reputação em ascensão no processo.

Quanto ao “fazer”, o conhecimento é poder. Quanto mais você sabe, mais você cresce. Saiba tudo o que puder dos melhores líderes em sua indústria. Entrevistá-los; leve-os para o almoço; estudá-los. O melhor atalho para o sucesso é aprender com os melhores. Combine este conhecimento com autenticidade, e você terá uma proposição de valor única que o serve ao longo de sua carreira. – Shaun Rawls , empresário permanente, fundador e CEO da Rawls Consulting

Joe Kakaty
Crédito da imagem: os oráculos

11. Faça isso, como sempre, foi feito.

Os “especialistas” adoram pregar sobre como algo sempre foi feito. Seus métodos experimentados pelo tempo invariavelmente trabalhavam em “insert-mega-company-company-name-here”, e é por isso que ele vai funcionar para você. Mas apenas porque uma estratégia funcionou para uma grande marca corporativa não significa que ela funcionará em uma cultura inicial ou pode ser copiada para obter os mesmos resultados.

Se você está em uma indústria em rápida mudança como o negócio de mídia, sugiro recrutar uma mistura de especialistas experientes, bem como tipos de produtos em bruto, quebram o molde, que gostam de inovar. Quando resolver problemas, não fique preso em como algo já foi feito antes. Descubra o que funciona melhor para você. – Joe Kakaty , co-fundador e presidente da Poker Central

Siga The Oracles no Facebook .

 


5 IDEIAS DE NEGÓCIOS DIGITAIS PARA VOCÊ COMEÇAR DO ZERO

Quem não sonha em ter seu próprio negócio e faturar muito dinheiro sem sair de casa? E o melhor de tudo, sem ter que investir muito dinheiro. Muitos brasileiros sonham em deixar de ser assalariado, e os negócios digitais são uma ótima alternativa para tornar esse sonho, realidade.

Pois saiba que a internet oferece várias opções, basta você escolher o negócio que melhor se encaixa no seu perfil. Justamente por isso o meu objetivo no post de hoje é lhe apresentar algumas ideias de negócios online para te ajudar nessa escolha.

VEJA AGORA 5 IDEIAS DE NEGÓCIOS DIGITAIS PARA VOCÊ COMEÇAR DO ZERO

1 # Criação de Blogs

Atualmente esse é um dos negócios digitais mais rentáveis da internet. Você já deve ter visto vários blogueiros de sucesso que ganham muito dinheiro nesse meio. Quantas vezes você já se perguntou como eles conseguem faturar com uma página na internet?

Na verdade, o lucro está nos anúncios exibidos na página. Quando o usuário clica, o webmaster já está ganhando.

Além disso, hoje muitos blogueiros faturam alto promovendo produtos de outras empresas, marcas e até mesmo pessoas comuns, tudo isso através do Programa de Afiliados, conforme veremos mais a diante.

Mas o primeiro passo é buscar um nicho de mercado que seja rentável e que ao mesmo tempo lhe traga satisfação pessoal. Isso porque a motivação é muito importante para conseguir dar sequência as estratégias de marketing digital necessárias para gerar tráfego no blog e ter sucesso no mercado dos negócios online.

Quando falamos em marketing digital, é importante salientar que se trata de um processo que requer planejamento e tempo.

É fundamental que o nicho de sua escolha seja um tema que você tenha certo domínio ou interesse, para que assim essa experiência não seja monótona e cansativa, isso garante maior facilidade para tratar dos assuntos referentes ao blog.

Além disso, é preciso estudar muito o mercado e o público com quem você vai trabalhar no blog. Alguns empreendimentos digitais de sucesso tratam de temas referentes a dieta, fitness, culinária, beleza, negócios, etc.

2 # Criação de Vídeos para a internet

O primeiro passo para montar um bom vídeo é planejar e definir um assunto interessante e pesquisar seus detalhes. O conteúdo precisa ser original e relevante para atrair a atenção do público.

Organize a estrutura do vídeo como se fosse um roteiro de filme, com começo, meio e fim. O ideal é colocar tudo no papel para as ideias ficarem mais claras.

A criação de vídeos para a internet é um dos negócios digitais mais rentáveis atualmente, isso porque os internautas acessam diariamente milhões de vídeos no Youtube. Inclusive esse canal é o mais famoso para expor gravações.

Uma boa dica é ver outros vídeos que tratem do assunto que você deseja abordar.

Observe quais são os mais visualizados e se inspire. Pode ser vídeos engraçados, tutoriais, cursos, etc. Quanto mais criatividade e habilidade você tiver na criação de vídeos, melhor será o desempenho da sua publicação.

Realizar vídeos com imagens e áudio também é uma boa opção para prender a atenção dos visitantes.

Outra tendência em negócios pela internet é desenvolver vídeos institucionais animados para exibir produtos, uma teoria ou um conceito com criatividade e relevância. Para isso basta ter familiaridade com programas de animação para criar bons vídeos de divulgação.

 

3 # Comércio eletrônico

Mais uma ideia de negócios digitais é abrir uma loja virtual para vender algum produto pela internet.

Atualmente existem também Franquias Virtuais que permitem que você tenha o seu próprio negócio com um baixo investimento, como esta que eu fui franqueado e super recomendo Clicando Aqui.

Mas, caso você não pretenda correr o risco de investir em um empreendimento de alto nível, você pode abrir uma loja virtual de forma gratuita.

Primeiro, selecione os produtos que pretende comercializar e desenvolva um catálogo online. Organize as fotos e a descrição dos produtos para tornar a página mais completa e atraente aos usuários.

É essencial oferecer bastante dados sobre o produto e as maneiras de entrega. Seja específico ao determinar o conteúdo da loja para ganhar espaço nesse mercado de comércio eletrônico.

Assim como outros negócios online, trata-se de um mercado competitivo que exige estratégias bem definidas para o empreendedor conseguir alcançar seus objetivos em venda.

Lembre-se de estabelecer um planejamento para conseguir atingir suas metas. Acesse o site da LCF Host para saber mais sobre loja virtuais e Blogs desenvolvimento seguro e profissional clique aqui


5 razões para ter uma presença na Web agora

Não faz muito tempo se você quisesse verificar quando um filme estava tocando, você consultaria seu jornal local. Se você quisesse encontrar alguém para remodelar seu banheiro, você abriria as páginas amarelas.

Mas para um número crescente de consumidores, esses hábitos são tão datados quanto um par de fundos de sino desbotados.

“Hoje, os consumidores em todas as faixas etárias usam a Internet e, particularmente para usuários experientes em computador, a Internet é o primeiro lugar que eles virão para obter informações sobre um fornecedor”, diz Sadie Peterson, presidente da SDMarCom Inc., um San Diego Empresa de marketing com base em marketing especializada em trabalhar com pequenas empresas.

“A Internet oferece uma oportunidade de se apresentar aos consumidores exatamente quando eles estão procurando seu negócio – aparecendo nos principais motores de busca”, observa Peterson. “Para empresas de nicho, a Web apresenta uma oportunidade para alcançar a comunidade nacional ou global, onde as limitações geográficas podem, de outra forma, impedi-lo de seus negócios”.

Nicci Blanke, que iniciou um estúdio de dança no sudeste de Michigan, é um crente. Seu Viva! O site Dance Centre, criado com o Microsoft Office Live Small Business, teve mais de 1.000 acessos no primeiro mês.

“Todo mundo tem a Web agora”, diz Blanke. “E eu acho que manter a tecnologia é como acompanhar os passos de dança. As pessoas apreciam isso e nosso site nos permite fazer isso”.

Um site da Web pode ser tanto sobre o serviço ao cliente quanto sobre a venda de produtos e serviços. Blanke diz que tem horas de escritório limitadas, mas usa o site para ficar conectado com os pais dos jovens dançarinos. “O site nos permite estar disponíveis 24 horas por dia, sete dias por semana”, diz ela. Ela publica papelada, mapas para competições de dança, até fotos.

Parecendo um negócio sério,
Paul Gryfakis, que executa o Parking Padding Solutions fora de sua casa de Chicago, acha que uma presença na Web profissional ajuda os potenciais clientes a levar seus negócios a sério. “Ter um site da minha credibilidade”, diz ele. “Eu não sou apenas alguém no telefone ou enviando-lhe um remetente sobre o meu produto”.

Quando as pessoas vão ao seu site, que também foi criado com o Office Live Small Business, eles podem ver imagens de seu produto, eles podem ver especificações, eles podem aprender sobre o processo de pedidos e podem descobrir como entrar em contato com ele .

Para Gryfakis, esse site é o núcleo do seu negócio, já que os produtos são enviados diretamente do seu fornecedor para seus clientes. “Eu não tenho uma vitrine. Não preciso de uma loja”, diz ele. “Eu só preciso da minha presença na Web”.

Claramente, existem inúmeros motivos pelos quais, mesmo as empresas mais pequenas podem se beneficiar de uma presença na Web, mas aqui estão cinco considerações fundamentais:

  1. Visibilidade: com mais e mais consumidores iniciando sessão na Web para pesquisar produtos e serviços, se eles encontrarem seu negócio, sua empresa precisa estar na Web.
  2. Alcance: com um site, você não está mais limitado a uma base de clientes que está em proximidade física de sua loja. Seu local de negócios pode estar em Boston, mas seus clientes podem estar em Bangkok.
  3. Atendimento ao cliente: quando os clientes podem entrar em seu site e encontrar facilmente a informação que eles querem – quando o querem – aumenta a satisfação deles.
  4. Concorrência: um site de busca profissional pode nivelar o campo de jogo para empresas menores que tentam competir contra empresas maiores. É também uma maneira de permanecer no jogo; Mesmo que as pessoas não conseguam encontrá-lo na Web, as chances são de que podem encontrar seus concorrentes.
  5. Credibilidade: quando você pode apontar clientes, parceiros, até potenciais funcionários ou investidores para um site, ele diz que você é um negócio sério.

Começe agora mesmo a ter sua autoridade online, a LCF HOST pode te ajudar nesse processo,